A minha Poesia em pps
Formatado por Zélia Nicolodi, Vitor Campos e Estrelinha d'Alva
(clicar na Imagem)

















Quero Alguém


O meu tecer de Esperanças!...


Já escalei a minha montanha!...


Amar-te-ei Sempre!...


Não te vás nunca!...


Não foi o ocaso


terça-feira, março 24, 2009

 

Aprender Dactilografia!...


(Clicar para aumentar)
Algo que seria impensável nos dias de hoje, porque quando se compra um pc, práticamente já sabemos como funciona, e antigamente tinhamos de tirar o curso de dactilografia, para trabalhar numa Empresa qualquer, ou então! saber escrever bem à máquina!...
Assim; fui tirar o dito curso, em Luanda, ia pelos meus 19, 20 anos, e mal acabei o curso, já tinha emprego e que maravilha de emprego... Ganhava bem, para começar, o pessoal era ótimo e guardo saudade de todos. Não sei de ninguém, com a confusão da guerra, cada um foi para onde podia ou dava e... perdemo-nos todos de vista!... Foi pena, fiz ali bons amigos e a única senhora que havia (a D. Alzira) era uma boa funcionária e ensinou-me muita coisa, assim como o guarda livros, o senhor Falhas que me ensinou o que sei em contabilidade. Aprendi a trabalhar com o arquivo e fui eu que pus tudinho em pratos limpos...
Ainda apanhei a nova geração de máquinas de escrever eléctricas, e que maravilha. Tive uma parecida com essa. Bastava carregar um cadinho e as letras sucedim-se numa fila delas, até que aprendi a refrear os dedinhos!...



Depois aprendi atrabalhar com o telex,a maquineta aqui ao lado com mesa própria,em que escreviamos, género de máquina de escrever, podia-se escrever primeiro, guardava-se a escrita e depois saía uma fitinha cheia de buraquinhos que inseriamos no local certo quando queriamos mandar a mensagem, começavamos.blá blá CabienAn... numeros tal e eles respondiam, escreviam rápido e eu também, era a única que sabia trabalhar com essa máquina, o telex e ganhei boas gorgetas quando era preciso mandar recados para a Bélgica com quem tinhamos negócios, ficava mais um cadinho e depois o Engenheiro agrónomo, dava-me uma notinha de mil.. notinha? ahhh dava para ir ao cinema, para o táxi prá praia, mas que bom.. .e tinha meses em que recebia duas ou 3 seguidinhas pelos dias fora... E a patroazinha que era uma querida, ainda me ia levar a casa por ser mais tarde, no luxuoso BMW dela, descapotável, aquilo voava que sei lá!...





Comments:
Oi, Laura:
Óh, óh, óh "menina", olha lá,... mas as coisas que tu sabes,... tu sabes tudo!... até escrever nessas coisas que mais parece,... sei lá, olha, bem merecestes essas notinhas de... de quanto?... êna pá... tanto cacau!!!
rsrsrsrs.
bjs
Osvaldo



 
Era memso Osvaldo, o Engenheiro trabalhava para a nossa empresa na parte de cogumelos e forneciamos os restaurantes locais e arredores e enviavamos de avião para todo o lado, os famosos champignon... pois a empresa era de carros, os famosos Buggy, electrodomésticos, exterminadores de mosquitos,ar condicionado, etc etc... e as notinhas por vezes, quase que dobravam o meu ordenado...mas eu trabalhava, ora pois nã!...



 
Pois é, menina Laura, também aprendi mais uma coisas sobre ti !
E enviavas telex para a Bélgica ? Já viste o teu destino, agora envias comentários a uma belga que se chama Je vois la vie en vert. Nunca mais acertas com o meu nome, caramba !
Goooooooostei imenso quando chamaste-me "miúda" no blog do Kim. Não podes enviar-me BOTOX, também ? porque com os meus 55 anos e 1/2 (parece as crianças...) bem preciso...
Com que então a sonhar com música sacra ? Já me descobriste aí no meio dos coralistas ? Não é difícil, acho que me destaco pela altura mas chuttt, esta actividade minha é um segredo meu, fica só entre nós, amigos, ok ?
Prometo que se for pelos teus lados cantar, aviso-te !

Beijinhos verdinhos, querida amiga.



 
Sortuda Laurinha!... Eu comecei a trabalhar como empregada de escritório muito nova e naquela altura ia-se aprender a profissão trabalhando. Então puseram-me uma máquina à frente com papel e disseram-me: aqui carregas para andar para a frente, aqui para passar o papel, as teclas para escrever, etc... e eu estive o dia todo escrevendo, e mais no outro dia e mais no seguinte. A ideia era fazer folhas para a segurança social, de trezentos e tal trabalhadores em folhas que levavam 25 nomes em cada uma. Já tás a ver a quantidade de folhas que era preciso fazer e tudo nas linhas e nos espaços certos. Foi uma experiência de que nunca mais me esqueci. Entretanto ao ir morar para Lisboa, estudei à noite e fiz a minha formação. Formação profissional em contabilidade. Aí "aprendi" dactilografia e mecanografia. Já não era preciso porque os anos de experiência puseram-me a escrever rapidinho mas fazia parte do programa.
Os computadores antecedidos das máquinas eléctricas simplificaram tudo cada vez mais e aqui estamos on line, mais ou menos em directo, a falar de recordações, só teclando...
Modernices!!!...
Abençoadas modernices!

Beijinhos pa ti
girassol



 
Je Vois La Vie En Vert...ora, a menina pensa que sou o quê, custava-me a estar a decifrar essa charada que dá pelo seu nome de blogue!...

Miúda, SOMOS AS DUAS UMAS GUAPAS PARIGAS, POIS EU TENHO 57 E SEM VERGONHA NENHUMA, SIMPLESMENTE PORQUE, POR MAIS QUE QUEIRAM, NUNCA ME CONSEGUIRÃO FAZER SENTIR QUE OS TENHO... Miúdas pois, e das boas...
Vê lá tu que já escrevia para a Bèlgica Em Franciú que o Engenheiro (um querido homem, muito gordinho, mas inteligente e uma excelente pessoa e já nem me lembro do nome dele, ó balha-me!...ele é que fazia a carta e eu mandava conforme estava e assim aprendi, merci, e mais umas asneiritas sem maldade ahhhhhh, já tinha 20 anitos e podia bem falar calão em Fracês...

Claro que adoraria ouvir-te cantar. Há coisa de dois anos o Dr Firmino, Presidente da junta de s. Victor e grande amigo meu, convidou-me para ouvir um coro na Igreja, no fim só lhe disse; Dr. Firmino, agradeço imenso, ams, não torne a convidarme para coisas assim...é que queria tanto ouvir e quase não ouvi nem senti nadinha (nesses casos levava sempre uma garrafita de água vazia na bolsa, para sentir o som que por vezes conseguia!...ele ficou tão aborrecido, tadinho, e convidava-me para fados, e agora já sabe que ouço e assim..pode convidar á vontade, já posso ouvir o gemer da guitarra...

Vou procurar-te na foto e vejo as grandes...devemos fazer uma bela dupla, tu, enorme e eu baixita, ahhhhhhh...
Beijinhos e claro que na falo nada porque só quem lê aqui, saberá... mas, claro que se vieres...Na camara não conheço ninguém, e pelo que vi quando lá fui...uns imcompetentes...o raio que os parta,s em respeito pelas pessoas, andei eu e aminah amiga a calcorrear seca e meca para nada e não nos ensinaram a ir onde era a tal casa de voluntariado..o rais que os parta..e aí não posso pedir que mandem a verdinha cá cantar, ehhhhhh... na junta do meu amigo...mas agora vêm as festas os teatros ao ar livre, o calor, as confusões e...calma...Beijinhos a ti e já ia perguntar-te se me esqueceste..
Ahhhh, o Botox envelhece nina, a carinha com um lindo sorriso vale mais que mil cremes, eu so queria algo que derrete-se s banhas e os papos dos joelhos, dos olhos, as pernas gordas, isso sim...amanhã passa aqui uma amiga e vamos andar pelas 8, 30 até aguentarmos à volta do quarteirão que é enorme...e vivam las magritas... Beijinhos.



 
Ahh, nina girassol, na verdade era assim, por vezes aprendiamos nos empregos e era meio caminho andado...tanto que anos mais tarde na África do Sul, fazia a contabilidade de uma amiga minha e da firma do pai dela, ou seja, simplificava tudo, arquivava, juntava, para que seguisse para o guarda livros tudo já preparado, pagava-me bem e dava-me cá uns bónus... e como era o mano dela que fazia as contas e pagamentos na empresa do pai deles, ele pensou que eu nunca daria pela marosca, mas, de burra não tenho nada...e assim vendo os cheques de pagamento, o total, somando tudo, vendo os gastos e despesas e ganhos daqui e dali, eram ainda bstantes funcionários, dei conta que sobrava dinheiro e..disse-o...Nina, sobra dinheirinho que fica nas mãos do teu maninho..ela começou a rir e disse que ele ia ficar envergonahdo por eu saber, mas que nada dissesse, pois ele teimou com ela que eu não devia saber assim tanto de contabilidade e vai daí!...apanhei-o logo porque sabia fazer as contas como me ensinou o guarda livros da cabie An...
esse rapaz, anos mais tarde ganhou milhões de Rands no casino Sun City. e foi para a Austrália, mas que sortudo...

E graças às maquinetas que cada vez são melhores, temos uma boa amizade aqui que se vai tranformar num abraço a,pertado muito em breve!...
Pois é...querida girassol...Beijinhos da laura.. e o dentista foi uma benção e nada me dói...



 
Quando entrei no meu emprego, há 15 anos, ainda lá havia um telex daqueles. Estamos a ficar cotas, Laurinha... Beijo!



 
Ahhh, rafeirito, qual cotas qual qu~e? eu aind anem sou cota, que serás tu meu rapaz? um jovem na flor da vida, um jovem com ânsia de viver e estar no mundo, e eu? idem, idem, pois a minha idade não me consegue acompanhar, porque eu estou ainda muito lá para trás...só gosto de me adiantar no saber, no depois nãnã...nadica, quero ser jovem, sempre...beijinho a ti e à nina gatinha..laura.



 
Pois é menina Laurtinha tirámos o curso de dactilografia na mesma escola, eh,eh...quando nos encontrarmos ainda vamos descobrir que além dos nossos voos nocturnos, ainda nos conhecemos mesmo.....eh,eh!!!!Também trabalhei com essa máquina electrica, só não trabalhei no telex...trabalhava no Banco Totta Stander de Angola, ao lado do Banco de Angola.....
Jinhos muitos!!!



 
Eh,eh miúda...escrevi o teu nome lindo...rs coisas de voos nocturnos....Laurinha!
Ah, sim aquela pessoa de olhos tristes é quem pensas que é,e linda!!!!



 
.______querida Laura




as coizitas que tu sabes:=)_____ainda sabes escrever naquele objecto?


de facto os tempos mudam______algumas coisas - para melhor. outras_____nem tanto!!!



as máquinas são bem lindas_____tenho duas (um presente forçado do meu pai. lá teve que ser:=) são uma verdadeira relíquia








_______///







beijO____ternO



 
Maria Clarinda; Tota Standard nada de stander...ai os galegos... Se nos conhecessemos lembravamo-nos, pois eu pelo meu defeitinho, lembravas-te logo, agora d anoss aterra, lembramo-nos sim...

A nossa amiga é mesmo tristinha? ai que falta lhe faço...punha-a a rir que nem doida, mas, estamos tão longe, ó, balha-me!... eu bem faço por fugir da tristeza, ela por vezes ataca-me até à medula, eu brinco com ela, ams depois a cosia começa a amolecer e...viro a página, não há como isso para fugir às depressões...
Beijinhos a ti, moça da minha terra e da minha saudade por ela...



 
Bety, pois, a maquineta que agora te psosa parecer uma aberração, é algo que já foi lindo e uma belsisima descoberta para quem escrevia à mão e de pena de pato (ou pata, ehhhh)guarda-a e mais tarde verás o tesouro que tens.
Um beijinho e miminhos a ti...o teu blog encadeia-me, ehhhh entro aqui, não é ali, saio dali, vou prácolá e, mas, aprecio estar em todas as divisões...jinho(és a ARTE em pessoinha)...



 
Querida Laura!

Também passei por isso. Mas o curso que tirei foi mais simplificado pela técnica que já trazia dos anos do piano. Quando entrei para o Estado, tive de fazer provas e algumas dactilografadas em línguas também.
Fiquei por lá 16 anos,sempre em Gabinetes de Ministros e sempre que haviam discursos confidenciais era eu que os dactilografava porque a maioria não queria que fossem as dactilógrafas de serviço. Apanhava cada seca!!!
Agora continuo nessa faina...aqui pelo computador...visitando as amigas/os. O prazer é outro, embora não remunerado para que a doação se faça direitinho.

Abraço e um beijo querida
Mariz



 
Ah, ah, ah, o que já me ri por aqui.

Também andei num curso de dactilografia, mas já sabia escrever à máquina (faltava-me treino, para ser mais rápida), não cheguei a acabar porque entretanto arranjei emprego. Onde também me apresentaram esse telex, que também aprendi, mas mais tarde surgiu o fax que o destronou completamente... As máquinas de escrever já eram eléctricas ou electrónicas (mais tarde estive noutra empresa onde ainda eram mecânicas, e aí sim, foi um suplício recuar no tempo), já havia computadores, onde aliás me iniciei a trabalhar neles.

O engraçado é que o patrão também tinha um Ferrari, mas não me dava gorjeta nenhuma por enviar telexes, ah, ah, ah! E pagava mal para xuxu... :)))

Enfim, mas ainda deu para rir ao lembrar-me disso! :D

Jinhos, nina!



 
Já viste a diferença? Antigamente ganhavas umas notinhas para escrever à máquina, agora só ganhas amigos e perdes tempo.
Mudam-se os tempos, mudam-se as notas.
Eu cheguei a escrever no teclado AZERT e no HCESAR, bem mais difícil.
Mas tá bem. ficou-nos a eperiência!



 
Olá Laura

Quando comprámos um pc não sabemos como funciona. Aprendemos com os outros a fazer alguma coisita no pc mas não sabemos trabalhar no pc por falta de conhecimentos técnicos.

Daí abrirem-se coisas que não se deve e aí está um vírus só para chatear. Depois vamos a um técnico para formatar e pagámos para isso, a não ser que conheçamos alguém que nos faça o serviço de borla.

:)

Os técnicos aprendem a trabalhar com os pc conforme tu aprendeste a trabalhar com a tua máquina de escrever, telex e afins, numa Escola.

Essa Escola onde andaste que ficava na esquina da Paiva Couceiro com a Rua António Brandão de Melo formou muita gente.

Foi aí que tive um episódio que podia ter-me custado a vida quando em plena guerra civil fui buscar à Escola a minha namorada, hoje minha mulher. Um dia irei contar esse episódio no blogue dedicado a Angola, no «Terra Vermelha».

Aqui está a tua Escola de Dactilografia. Prédio lado esquerdo.

http://marius70.no.sapo.pt/EscDactilografia.jpg

Sabes a que Igreja pertence estes vitrais?

http://marius70.no.sapo.pt/Papa.jpg

:)

Pois é, o Papa esteve lá a dar Missa.

Está linda a "nossa" Igreja.
:)

Tudo de bom!



 
Como estamos em maré de recordações, ainda te lembras deste padre?

http://marius70.no.sapo.pt/PadreSamuel.jpg

Como o endereço indica, é o padre Samuel.


Falta o padre (capuchinho) Luís. Pode ser que um dia apareça uma foto dele.

Arrivederci!



 
Eu a pensar que eram máquinas de costura ...

Não comece já a resmungar que não lhe adianta.
Tenho uma SINGER, que talvez seja da minha idade ... só tem um defeito, nas calças de ganga, parte-me as agulhas todas ...
Ou pensa que não aprendi a cozer à maquina?
Ninguém me ensinou, só a mudar os carretos ... e fico mesmo, com os carretos de fora quando tenho que mudá-los e não está a minha mulher.
Nunca tive de escrever á maquina oficialmente.
Tinha e ainda tenho duas UnderWood, do tempo do D. Afonso Henriques e duas Remington.
Cada, custou 50$00, quando apareceram os eléctricas ...
Muitas folhas escrevi, mas para mim, (memórias descritivas)
Pobres máquinas que não tinham tempo de pensar, era sempre a bater ...

Vou mudar de hábitos ... dormir de dia e vir para a Net á noite, que sossego e velocidade que até escorrego ...
Mas perco-me a ler tudo e nunca mais saio do sítio ...

Até logo!



 
É mesmo mariz, escrever para ganhar a vida e fazê-lo agora por prazer e sem ganhar nadica!... mas que belezoca...e só quando apetece...embora já haja o meu grupo que todos os dias nos visitamos...mas é algo que eu adoro, algo que faço com gosto e muitas vezes deixo de fazer uma ou outra lida, e fica para mais tarde, e, que se lixe... Esta vida são dois dias e quanto mais amigos e nos divertirmos ou pudermos ajudar..pois, melhor..Um beijinho..



 
Nina tété, não era o patrão que me dava gorgetas, era o engenheiro agrónomo que trabalhava na nossa quinta ond epela primeira evz em Angola se cultivaram os deliciosos cogumelos (champignon)e era ele que trocava as mensagens, e como só chegava da quinta depois do meio dia e meia e eu saia à uma, depois eles do ladod elá demoravam a responder, enfim, saía dali mais de meia hora depois e com licença para entrar mais tarde, só que eu nem ligava e entrava na hora como sempre, e era ele (que era pago a peso de ouro e eu ganhava mais que a minha tia que era funcionária publica e já trabalhava há mais de 5 anos no estado, passei-a logo no ordenado, entrei num mês d eOutubro e no Natal tive garrafas das boas, umas 4 mais o ordenado dobrado...como todos os funcionários e isso queria dizer que; o meu trabalho era bom e os patrões sentiam-se bem com a aquisição, memsos endo surda, dei conta do recado, so não atendia o tel, mas havia lá mais 3 para isso... (mais a patroa que o Patrão estava muito tempo fora em negócios) mas as notas é que interessavam...assim, naquela altura há mais de 37 anos, já ganhava a módica quantia de 4 mil escudos (ja com descontos feitos) e com as gorgetinhas lindas chegava aos seis sete, por vezes, mas não era todos os dias, tá claro, ehhhh..e como era poupadinha...e em vez de ir para a praia de machimbombo, já ia com a Landa de táxi e pagavamos a meias, ehhhhhh, e almoçavamos na praia, rapariga, nem te digo, mas a vida era linda...
e claro que eu d eprincipio enquanto fazia o arquivo, ia treinando horas fio que o trabalho ainda era pouco, e os nossos patrões daqui, ganhavam muito menos (acho eu) ora procura saber quanto ganhava um empregado de escritorio, ajudante, nos anos 69 70...
Beijinhos e que bom que nos vamos rindo por aqui. Até já apareceu o nino marius que morava lá perto da escola como eu e até mandou foto do Padre samuel que eu conhecia, (capuchinho)ricas lembranças... Beijinhos.



 
Kim, era Azert o teclado da minha maquineta eléctrica (ainda pomos o c atrás do t para escrever eléctrica? com o novo acordo ortográfico, já nems ei a quantas ando!) e deslizava que era uma gracinha.
Pois foi, ganhei notas a escrever e agora ganhei amigos no bloco de notas, mais ricos mais amigos, porque as notas (como eu sei bem) vão e voltam...e os amigos há que tê-los sempre por pertinho, porque eu amo os meus amigos, mesmo os virtuais, eu já sinto uma ligação com eles e assim...amigos, sempre, e notas apenas as que fazem falta para o dia a dia...memso por vezes nem chegando para muito...
Beijinhos a ti.laura..



 
ahahahah
Deve ter sido mesmo numa maquineta dessas que a nina aprendeu a dar aos deditos eheheheh

Talvez numa Remington ou Olivetti, não? eheheheh



 
Viva Marius, cheirou-te a flores da nossa terra vermelha? já não te ponho a vista em cima há um ror de tempo! É verdade, a tua mulher andou na mesma escola que eu, em anos diferentes, suponho, já que eu fiz o curso em 72 e a guerra foi em 74. Conta, conta que gosto de saber como foi...

Então ia lá esquecer o querido padre Capuchinho, Samuel) se não estou em erro, e o padre Luis também me lembro dele, e ia muitas vezes à Missa, coisa que agora nem faço..e via o pessoal que ajudava, os escuteiros, os da Mocidade Portuguesa, lembras-te? e ainda me lembro de contares que te puseram á porta da Igreja a distribuir os jornaizinhos da JOC ou lá como era, e tu desataste a correr dali pra fora que nunca mais te puseram a vista em cima, ahhhhhh, ainda me rio só de pensar nisso...

Os vitrais da Missão de S. Paulo, ora pois...Mas olha que já vou esquecendo muitas ruas, as lembranças vão-se esfumando, apenas algumas, que o todo está dentro de mim...ah, quem é bom para essas recordações é o teu mano leão verde, aquele rapaz parece que tem memória de elefante... descreve tudo e os nomes dos clubes, estádios, ruas, lugares, locais por onde passei tantas vezes, aquele sim, é um mapa aberto das ruas de Luanda...

Um dia destes vou lá bater-lhe à porta!...mas primeiro vou conversar com o meu velho amigo, o mar, a ver se ainda recordo o barulho pra caramba,que ele fazia, lá em Luanda...
Um beijinho da garota...



 
Marius, o padre capuchinho, (Luis) não era baixito, magrito, de barbichas a esvoaçar? Ora é essa a ideia que tenho dele e a lembrança de o ver a andar atarefado com os jovens pela igreja...
Dá-me a impressão que os padres ali na Missão, eram todos capuchinhos e iam daqui para lá!... era?
Beijinho.



 
Olá Laurinha,

Com tantos assuntos para falarmos, esqueci-me de falar de máquinas de escrever. Na Bélgica tirei um curso superior de secretariado de direcção e não cheguei a fazer o outro curso superior que queria fazer (turismo) senão só casaria com o meu príncipe português 4 anos mais tarde e provavelmente não casava...Afinal abdiquei do meu curso de turismo para vir fazer turismo aqui em Portugal e não estou mesmo nada arrependida !
Trabalhei em Portugal como secretária de direcção numa multinacional francesa e tive que adaptar-me ao teclado QWERTY (+ os acentos portugueses..., já que, tal como o Kim, tinha aprendido com o AZERTY. De vez em quanto, umas colegas formadas em economia pediam-me o favor de escrever umas coisas para elas (porque a dactilografa delas enganava-se muito) e várias vezes tive que corrigir os erros de ortografia delas ou às vezes, vinham perguntar-me "Verdinha - evidentemente que não era assim que me chamavam... - como é que se escreve esta palavra ?" e eu com grande sorriso respondia "vocês não têm mesmo vergonha em perguntar isto a uma estrangeira !" É engraçado, não é ?

Faço erros em gramática (os tempos do verbos e os pronomes !! ) mas em geral só faço erros de ortografia por distracção porque estudei 6 anos de latim e 5 anos de grego e é uma excelente ajuda, mesmo se já não me lembro de quase nada destas linguas mortas...isto é uma questão de perda de neurônios...

Quanto às minhas lidas artistícas, como quero separar os 2 blogs, não tenho informação nenhuma acerca delas neste blog da Verdinha. Terás que encontrar por outros caminhos.... :)
Acho que sim, juntas podemos fazer de Laurel e Hardy (o estica e o ... já não me lembro, será Bucha ?). Eu até sou um pouco parecida com o Laurel.....


Queres conselhos para os papos à volta dos joelhos ? O Botox também serve para isto. fica tudo tão bem esticadinho que já nem consegues dobrar os joelhos ....

Se te custa escrever o meu nome, dou-te a autorização por chamar-me Je ou Vois ou Vie ou Vert mas não me chamas EN, está bem ? :)))
Beijocas verdinhas, amiga Laura !



 
Só ficavas mesmo pela grogeta, né????'ahahahahhahahh

Belos tempos e que bom recordar esses tempos em que fomos felizes...

Beijokitas



 
Cheguei, permitam-me a brincadeira..Nos tempos em que deram á minha querida girassol uma maquineta dessas para ela trabalhar, por razões que ambas conhecemos, a mim deram-me uma enxada e disseram para arrancar mato, uma foice para ceifar, uma tesoura para podar.. É verdade que mão tinha tantas linhas, mas fazia bué doer as costas e a alma.. Isto para não falar do que era trabalhar a terra para plantar ou semear o arroz, quando os pés se adentravam pela terra, as pedras cortavam como vidros.. Na hora do almoço, lia, bordava, cantava e dançava, e sobretudo, sonhava.. Aos 25 anos aprendi então todas essas coisas..Mecanografia, estenografia, dactilografia e mais umas coisas, não demorou a chegar ao PC, quer isto dizer Laurinda, que nós, podemos chegar ao infinito..Tadinho do meu girassol, foi por razões muito más que ela estava naquele lugar, mas ela é uma vencedora..Assim te considero também..Hoje tenho pena que algumas pessoas não se interessem por aprender mais umas coisas, é que na nossa aprendizagem diária estará sempre a nossa maior arma..



 
Era chique ser dactilógrafa nesse tempo, não era Laura?
Pois eu comecei a trabalhar muito cedo. Trabalhava muito mas era muito explorada.
Beijinhos linda :)



 
La por casa ainda existem duas maquinas de escrever, duas relíquias pertencentes ao meu pai.Pessoalmente nunca trabalhei com maquinas destas,talvez devido à minha aversão a papéis, sempre fui mais de pincéis, agahahah.



 
E por falar em botões e teclas apertaste o botão do tempo. Eu também tirei o diploma de datilógrafa e também trabalhei nas máquinas elétricas. ehehehe

Lembras-te da manuais que faziam "tlim" quando chegavam ao final da margem? hehehehehe

Ó carago, esqueci que nessa época ainda não tinhas o "surfista" pra ouvir.

boa tarde Laura e Sol em Portugal inteiro que já vi no telejornal.



 
Laura, como sempre mostras um pouquinho à gente do teu mundo, partes da vida.

É delicioso de se ler, agora a sério, já não vou a Coimbra o ajuste foi cancelado por parte deles, e disseram que eu iria receber uma carta aqui casa para depois lá ir.

ÒO que tristeza!!! Estava tão empolgada por lá ir, ora fica para a próxima vez infelizmente....

Beijinhos a mil.
Sun Melody
A tua e sempre Cyborg



 
Laura

Sabes o que disse aguém, que me ouviu numa cadidatura, quando podia já exibir diplomas, um de dactilogafia e outro de estenogafia? Pois é: teria que aprender à escrever com máquina, á custa da empresa. Não podia saber mas foi o meu dia de sorte.
Passaram uns dias e era cumprido o sonho, passei a ser empregado de escritório, menos de dois anos depois, era o o chefe do escritório. Cerca de sete anos depois, passei a fazer um biscate e então, aprendi a escrever à máquina a sério, com todos os dedos, como me ensinaram no curso. Estenografia, por curiosidade, vim a utilizar numa reportagem mo Porto. Foi publicada cá e em Itália, a pedido.
As voltas que a vida dá!...
Beijinhos,
Daniel



 
Laura! sabes também aprendi a dactilografar,mas no Porto minha cidade,e algumas cartas fiz numa antiga máquina (olivetti)ainda a tenho,uma recordação que fica,hoje é tudo feito em computador,e por vezes sabes Deus para algumas coisas.
Beijinho,hoje mais descansada.(nina Lisa)



 
Laurinha

A maquina de escrever traz-me à recordação o meu primeiro emprego em Luanda, a fábrica da Coca-Cola, em fins de 1970.
De facto quando concorri a um lugar de Guarda-Livros na empresa acima referida, que se chamava SOFANCO-Sociedade de Refrigerante de Angola,Lda.,uma das coisas que tive de fazer,ainda que por pouco tempo,foi tratar dos contactos com
clientes e fornecedores.Não tinha
qualquer curso de dactilografia mas
lá me desenrasquei à minha maneira.
Posteriormente,já noutra empresa,
passei às maquinas e contabilidade.

Belos tempos e saudosas recordações
que nunca serão esquecidas.



 
Querida Laura,
pois pois...eu também tirei curso de secretariado e dactilografa especializado e com cadeira de economia. Detestei embora tenha passado com 17 valores.
Nessa altura o meu pai ainda vivo e advogado precisava da minha ajuda...as maquinas dele eram do mais antigo que havia e uma era raríssima eu disse não as relíquias que não cavam conta da minha rapidez nas teclas e comprei uma electrónica que ate apagava os caracteres onde se errava corrigia...máximo isso...
Em poucos minutos eu dactilografava as papeladas todas que se fosse o meu pai tadinho demorava horas a escrever com dois deods,e a secretaria que ele tinha eu despedia-a porque o andava a roubar.Fiquei eu com o encargo de o ajudar a troco de nada...ehehe não conseguia pedir-lhe salário ele pagava as compras e coisas que eu precisava para casa ,um filme de cinema uns lanches no café e pronto...
Depois troquei as máquinas pelas panelas (restaurante ) onde me dava muito melhor a mandar e a trabalhar, olha lembra-me estes dias que tenho andado aqui nas limpezas da casa e fico estoirada das costas pernas braços enfim...recorda-me os dias que eu passava no restaurante onde nem tinha tempo às vezes de ir ao WC era sempre a adiar...mas eu adoro trabalhar mesmo ficando derreada ehehe, desde que olhe à volta e veja tudo como gosto até me sinto melhor.
Beijinhos vou fazer o jantar depois volto.



 
Certamente que o caminho para a felicidade não é fácil de encontrar. Porém, há uma frase célebre de Aristóteles com a qual eu concordo plenamente: "A felicidade é feita por nós próprios". Assim, se desejamos encontrar a felicidade, nós é que temos de construí-la, tentando criar um mundo (interior e exterior) que nos satisfaça mais verdadeiramente. É importante estarmos em harmonia connosco próprios, fazermos aquilo que gostamos, que realmente nos faz sentirmo-nos bem (como por exemplo: ouvir música, ler ou apenas relaxar), nem que seja, apenas, uma hora por dia, bem como estarmos rodeados de pessoas que nos confortam, que nos dão carinho e uma palavra amiga e tentarmos, ao máximo, fugir de ambientes que nos deprimem e nos stressam. Mas, não podemos estar passivamente à espera que a felicidade venha até nós ou que alguém a traga simplesmente. A receita para a felicidade é simples, nós é que a complicamos... É importante lutarmos pela nossa felicidade, mas, igualmente, pela dos outros, uma vez que da deles depende a nossa. Por isso, se não custa, assim, tanto ser felizes do que é que estamos à espera?! É que a vida é demasiado curta para sermos preguiçosos...



 
Ó minha querida Je Vois la Vie en
Vert... Mas tu és filha de portugueses nascida na Bélgica ou és Belga memso ou simplesmente foste para lá e blá blá..e casaste com o Portuga com quem namoraste e dizes que ainda és feliz! Rapariga, saiu-te a taluda por esses lados...Acho que vou até à Bélgica a ver se tem lá a forma para o mê sapato de cristal!...

A menina estudou latim? e porque se apaixnou por algum seminarista e quiz saber o que ele diza nos seus delirios de apaixonado, foi isso?

Bem,m nem me ralo se for a Bucha, ja que nãot enho de forma alguma o estilo do laurel e assim ficamos a Laurel (repara que me chamo laura e em Inglês é laurel) e hardy, ou lá como se chamavam eles..e na t eposso chamar de EN, ou ET? extra terrestre já pareces tu...cantas e encantas pelos vistos e nem sei ainda onde entrar naquele blog carregado de eletricidade que me pôe em choque quando entro, pelo tempo que demoro, pelo tempo que estou a ali a procurar e não vejo um palmo à frente do nariz!...

E de que me vale o Botox se não conseguir dobrar os joelhos? bolas, e ós pois a minha ginástica de estica , encolhe, encolhe,estica, como será feita? Menina, mais vale andar de papos, mas, olha que vou pensar, mas o botox é para tirar rugas e não papos...E como já comecei hoje a andar por Braga com uma amiga, uma hora adar à sola..ufa, ufa, e havemos de ir todos os dias e não tarda tou uma flor como antes...
Muitos beijinhos e se não sabes; gosto imenso de ti, és uma fadista para o riso..Beijinhos amanhã vou a Coimbra sozinha com o mê surfista...



 
Ó nina parisiense, o homem era cota (para mim ehhhh,) tinha poeso que sei lá, supergordo, tinha familia e er aum amor d epessoa, achas que com o pai que tinha, memso que quisesse, ficava ali por gorgeta e mais alguma coisa? ahhhhh. Beijinhos.


Ora nem mais querida bichinho de conta...a gente aprende a viver a vida como ela é, e só passando pelas coisas se aprendem... Não basta ouvir contar ou falar, é preciso viver no terreno e tu pelos vistos tiveste a vida bem dura também...Mas, pronto, tanto tu como a girassol têm melhor vida e são mais felizes que naquele tempo, mas, é o que temos de ter..Toca a aprender , ora pois, eu adoro aprender..sempre, semrpe...Beijinhos.



 
_________________________________

...eu também fui datilografa e das boas! Fui secretária durante alguns anos... E não era maquina elétrica não! Era uma Olivetti...Lembro bem!


Beijos de boa noite, amiga!!!

Tenha sonhos lindos...

__________________________________



 
Querida capriccio, pois era, havia e aind ahá exploradores do trabalho dos outros, mas, se se safam por aqui, no outro mundo não se vão rir do que fizeram...É triste mas é verdade..Um beijinho meu..laura..

Daniel; acredito que tiraste cursos aprendeste a escrever à máquina e tiveste empregos bem bons,d evagarinho foste subindo até alcançares o topo...Ainda bem...
Beijinhos.

Beli, as maquinetas de escrever cansavam as mãos que sei lá, mas eu apanhei a eléctrica e safei-me bem..Beijinhos.


Ehhh ó pitanguinha, lembro que a maquineta abanava toda quando voltava ao principio e que tinahmos que mudar a fita da tinta preta ou vermelha e sujava as mãos todas, era era...o tlim tlim já era outra história e o surfista ainda não era nascido, ehhh. beijinhos.

Ó Alice, estava tão feliz por nos irmos encontrar e já tinha planeado leva rum lanche avantajado e sentavamo-nos nos banquinhos do jardim principal e...bolas, ainda puxo as orelhas ao J pedro..eu a pedir e ..truz...ganda seca, mas pronto, depois vemos o proximo dia..Beijinhos.



 
Olá Laura,
Acabei de ler o teu post e pensei uma máquina antiga de escrever que tenho cá em casa (ainda mais antiga do que essas das fotos) que quando era mesmo muito pequena, e os meus pais não me deixavam trabalhar com o computador, eu escrevia lá o meu nome... e depois com um grande sorriso ia entregar-lhes a folhinha como tivesse feito algo assim tão extraordinário! =)

E tu tinhas boas notas na altura... Parabéns muuuito atrasados eeeh
Boas recordações essas...

Muitos bjs,
Estrela d'Alva



 
Agulheta, também tive uma Oliveti na empresa, uma de teclado AZERT, e por ai fora, a empresa era boa em negócios e nada nos faltava, inclusivé uma enorme geleira semrpe apetrechada ocm bons sumos, mas que maravilha... e a patroa por vezes chamava-me para lanchar com ela, uma coisa boa que nem todos tiveram e assim posso considerar-me uma afortunada da vida..beijinhos.


Moço Gonzaguinha, eu morava a metros (era so atravessar a estrada e andar mais uns metros) da casa dot eu patrão...o filho dele o Zé a miuda a Banana, eram amigos do meu falecido mano mais novo, ele tinha dentes de coelho, se trabalhaste lá devias conhecê-lo, eles tinham um palacete bem modernaço, virado ao amr, cá de cima das barrocas, eu morava na António Enes, cruzamento com a dos Pombeiros...a mãe do dono, e o pai, tinham um carro antigo, azul escuro, eram todos uns vaidosos e a mulher dele muito morenaça da piscina e praia e de cabelo escuro, curto, alta e magra, elegante sempre pintada...o Zé, pelos vistos faleceu, dizem que caiu de uma varanda abaixo, no apartamento de um amigo ou coisa assim..faleceu logo, acho que foi do 5º andar.Falavam em drogas! Mas, isso já nãos ei, ele e o meu mano eram muito amigos. Que pena..
Pois so por falares na fábrica da coca cola...
Beijinhos e tens andado desaparecido, mas...



 
Rapariga de cristal, tu só queres trabalho e mais trabalho.Abranda raparigaça...as maquinetas eram boas sim, dava +para apagar, que coisa boa e aind alembrod e andar de borrachinha e de ter o liquido branco que punhamos em cima, sopravamos para secar e depois escrevia-se de novo e ficava feio-te ehhhhhh..O teu pai pagava em moedas como se diz, ehhh pois claro, nemd evias precisar se ele dava tudo...Bons tempos nina e mal sabiamos nós o que iria ser a nossa vida depois, anos mais tarde..Beijinhos.
E é amanhã o dia que tinhamos programado conhecer-nos, mas, a Alice já não vai, e vou sozinha, ams vou bem, so tenho pena,senão, arranjavamos forma de nos abraçarmos..haja calma, o dia chegará..Beijinhos.



 
Viva, tigre, pois é, todos dizem a mesma treta, mas não é tão simples assim, como abandonar tudo e ir embora percorrrer novos caminhos que nos deviam levar à felicidade, mas, não, nem sempre levam, antes pelo contrário...a felicidade é uma utopia, tigre, e mais nada, porque para uns basta pouco para isso, e para outros por mais que tenham, nunca chegam lá...Eu sou feliz com os meus filhos, o seu amor e suas lembranças e o resto! que se lixe..beijinhos a ti sandokan..laura..



 
Olha a minha nina do mundoa zul; acredito que sim, pois conheço centenas de pessoas que sabem escrever no pc, mas fazer um pps já não é com elas, ehhh acredito pois nina azulinha...Beijinhos e sonhe vc também com coisas lindas..laura..

Olá estrelinha d'alva, ora pois, a menina já sabia escrever na maquineta e fez lindas cartinhas...e querias ir estragar o pc dos pai, néra? sua marota... Beijinhos e nem tenho passado lá...laura..



 
Laurinha,
pois...li isso que a Sun não vai recebeu a cartita...mas deixa lá Braga por acaso nao fica asim tão longe, deixca que eu resilve isto com a minha fiha e depois em passeio iremos ate ai...tenho um amigo que foi meu agende de vendas de perfumes e o filho dele é como o meu...e até teem mesmo nome engraçadas as coisas da vida, na altura eu ajudava-o muito , mais a ele que aos outros que não tinham filhos doentes ou deficientes e nem sabia que o meu filho teria um dia a mesma deficiencia do dele...ele há coisas não há? Ainda bem que o ajudei muito quanto conseguia...porque hoje sinto-me mesmo muito bem por isso....
Fechei os negócios e depois só o voltei a encontrar aqui nos blogs sem imaginar quem era e nem sabia o que era sequer um blog já lá vão anos...eu pesquisava uma palavra para um trabalho de um curso que andava a tirar e descobri o nome e um vídeo dele da sua estada na TV e nem acreditava que ele falava do autismo do seu filho, só nessa altura eu soube qual a deficiência do filho pois ele nunca me tinha dito eu só sabia que o filho era uma criança doente pelos colegas dele mas nem eles sabiam dizer-me mais sobre isso.
Saber qu o filho dlee e o meu se chamam Bruno e têm ambos autismo nessa data fez-me gelar e pensar na vida e nas coincidências.
Não o ajudei por pena mas porque sentia ser meu dever e obrigação ajuda-lo pois se já tinha um filho doente precisava apresentar mais trabalho e que a vida lhe fosse mais leve neste campo...foi a minha forma de Estar para com ele.
Com tudo isto queria dizer que ele é de Braga e que andamos para nos encontrar e falarmos do meu Bruno e do Bruno dele por isso um dia tiro um dia tomo um café com ele e lancho contigo..ok?
Com a Licinha fica para outra vez...em Coimbra...
Beijinhos



 
Oi Laurinha,

Também gosto de ti e divertes-me imenso !
Farto-me de rir da tua boa disposição. Eu também sou muito brincalhona.
Sou mesmo belga, pura belga. Não te aconselho de ir a Bélgica para ir buscar um príncipe encantado, não encontrarás...
Tenho pena do teu esforço todo e vou deixar-te o link que procuras...http://corovoxmaris.blogspot.com
Mas o blog não é meu, foi feito por mim, sim , mas ninguésm sabe lá que sou Verdinha, por isso se quiseres deixar um comentário, não fala em mim, está bem ?

beijinhos verdinhos



 
Que máximo!
Ainda tenho uma máquina de escrever...saudades!

beijossss



 
Xiiiiiii

Estou muito orgulhosa da minha madry :)) Vou passar a chamar-te "mulher dos 7 ofícios" eheheh

Lembras-te daquele episódio em que enfrentaste um leão na selva? Pois aqui a tua afilhada, uma destas noites, enfrentou uma FERA!!!



 
mana,

Com o excesso de trabalho que por aqui temos e a falta de pessoal, davas-nos aqui um jeitão, sabes?

Hoje vai ser outro dia igual ao de ontem :(


jinhos



 
Que bom recordares e partilhares estas experiências tão bonitas! Um beijinho grande deste lado da península



 
Laurinha

Dizes que moravas a metros da fábrica da Coca-Cola,SOFANCO, mas não me parece que o tenha sido. Moravas no Bairro S.Paulo e a SOFANCO ficava no Bairro da Cuca, mesmo junto à fábrica de cerveja NOCAL. Nessa rua ficavam outras fábricas como a SIGRA,e outras que já não me lembro do nome.
No Bairro de S.Paulo morei,prédio do livro,e também trabalhei,mais tarde, na Auto Reparadora de Luanda,Lda., que ficava na rua Missão de S.Paulo,mesmo no fim da rua,junto à António Enes.
Aqui sim estava-mos próximos. Muitas vezes fui ao Cinema S.Paulo,Rua do Kikombo, Bar Cravo,
Hotel Majestik,etc,etc.
Que recordações!...
Bj.do coração



 
Bom dia Laura!Que bom que era segurar-mos aquela escada firme e degrau a degrau ,com firmeza e competência provada, lá iamos subindo com consistência.
Pena que a vertente da nossa colina, já pouco tenha para subir.
Hoje as coisas acontecem depressa demais.
Algumas pessoas sobem sem saber como, são levados,outrs por muito competentes que sejam nunca sobem e a maioria nem hipoteses tem de demonstrar ou desenvolver o seu saber.
Tenho esperança de que esta situação mude rapidamente, para se aproveitar tanto talento perdido
Para que não fiquem dúvidas regeito a velha máxima "de que no meu tempo é que era bom" e quando falo em subir não tem a ver com escala social,mas sim no respeito a que temos direito cumprindo com os nosssos deveres.
Um bom dia Laura e beijinhos c/x



 
Bons tempos, não é amiga?
Já voltei dos tratamentos em Espanha. Está tudo ok!
Beijocas



 
Ainda cheguei a trabalhar bastante tempo com máquinas dessas. E com uma que se não me falha a memória se chamava swift qaulquer coisa!
Era mais modeerna que o telex!



 
Aqui a endiabrada fica muito feliz por saber que o nino Roderick já voltou e trouxe boas notícias :)*

É que esta diabita é assim a modos que meia diaba, meia ANJA, sabiam? eheheheh



 
Laurinha, peço-te ajuda. Como se liquidam formigas?

Tenho a impressão que no meu quintal existem mais formigas do que habitantes tem este planeta.
biquinhos



 
Gonzaguinha, não senhora, entendeste mal ou expliquei-me mal... eu morava a metros da casa do Patrão da Coca cola e não da fábrica da Coca cola que sei onde ficava..ó moço calhar trabalhavas na estação de serviço da Shell? era? Explic amelhorzinho onde era a Auto reparador aporque o nome é meu conhecido..conheceste o Brasileiro que tinha uma Kavasaky com uma caveira atrás no encosto? era a única mota dessas naquela altura! ora continuemos..beijinhos



 
Lisa b, ora menina, ora, ora e ora! achas que me contento em ficares só pró lanche? bolas, ou não me conheces ou não sei, mas, nã querias mai nada...ora anda, avisa, e podemos estar juntos na minha casa também... o teu e o dele mais o shakita seroa maravilhoso, o shakita é um amor e entendido no assunto, mais que nóizinhas...
Podemos fazer um almocinho simples aqui em casa e vindes todos, ele muié e filhinho e tu e o nino se a nina vier, pois que bom, egaranto-te que cabemos todos, pois, onde houver uma laura destas tudo cabe e todos se sentem bem...Beijinhos.



 
Como é que ficou o surfista depois da "revisão"? Correu bem a viagem? Correr deve ter corrido que tu não deves fazer por menos. Brrruuum!!!... é a Laurinha ao volante de ida e volta a Coimbra.
Bjinho daqui
Girassol



 
Verdinha, cá cheguei e já te conto como foi..mas que riso doido pelo caminho a conduzir...ah, maravilha...
Já fui ver as fotos e claro que não sei quem és, tem lá ninas lindas e mais ou menos, ehhhhhhhh...
Depois ponho-te a rir, agora so vim aqui responder e já faço novo post e cada vez ouço mais altooooooooooooo...Beijinhos.



 
JRom; agora pões padeiros no lugar de mecânicos, professores no lugar de flautistas, engenheiros no lugar de rpesidentes e ministros, e gerentes bancários a ensinar matemáticas, e profs de quimica a ensinar fisica, enfim...trocaram tudo e ninguém se entende. as minhas amigas queixam-se de novas chefias que nãos abem nada do que dizem ou ali fazem..isso é resultante dos tachos de ferro que não partem e são almoços e jantares garantidos para toda a vida...Enfim,s e cada um fizesse aquilo para que tem jeito, mas...
Beijinhos, muitos, com xxxxxxxxx..laura..

Rioderick, vim peloc aminho a pesar que seria feito de ti e aidn abem que as noticias são no minimo, as melhores que se poderiam ter...Fixe, alegro-me por ti porque já gosto muito de ti e tu sabes...beijinhos. laura..


Zézito, cá pra mim farias bems e espalhasses açucar em todas as direções (cá pra mim ehhhh) elas tanto se lambuzavam que caiam ali mortas d etanta doçura...ora, na outra casa era aágua, aí é formigas, bota o açucar nisso e fazes um refresco pró calor, ehhh, coitado zézito, mas há-de ter remédio nas casas proprias...Um beiejinho, mas não lhes comres tortas de azeitão..bolas..essas são pra cá, mas olha, resolvi emagrecer memso, e que ouvindo e gorda fico feiota, quero elegancia...beijinhos.



 
Gatinha, tão guarda-a, são reliquias, amanhã... Um beijinho.laura..



 
Nina girassol, só vou ver o que fazer para o jantar, e volto já abrir post novo, vais rir como sempre. saí d elá pelaa 12,45... entrei tard ee mandei vir ehhhhhh, mas, eu é que devia ter ido à porta, para a próxima entro por ali fora e tentem impedir-me..o meu técnico é um amor de moço, adoro que seja ele a fazer o reajuste de sons...levei h e meia para lá e para cá, mais um pedaço, adivinha porquê!......e tento ter cuidado, mas este carro é avião e tudo...pbeijinhos.



 
Pascoalita, sei, e dava pois, até já conheci os cantos à casa e...arrumava tudo num ápice com uma perna às costas...

Thiago, pois é, quando chegares à minha idade terás lindas recordações, recordar não é velhice, foram apenas bons momentos vividos... Obrigada pelo miminho..laura..



 
Laurinha

Auto Reparadora ficava no último prédio, à direita, da Rua Missão de s.Paulo, mesmo na ligação com a Rua António Enes. Em frente ficava um sapateiro, bem como uma torrefação de café.

Esta empresa era a representante para Angola das motorizadas CASAL e EFS e das motos MONTESA.
Vendia-mos electrodomesticos e acessórios para todas as marcas de
motos.
O dono da empresa era o Sr.Ferreira, a esposa dª.Beatriz e
tinham duas filhas a Mª de Lurdes e
Mª da Graça. A Lurdes casou,na igreja de S. Paulo, com um funcionário da firma,por sinal encarregado das oficinas,chamado Luís Manuel.
Quanto ao dono da coca-cola, eram dois o Sr. Viola e Sr. Vinha,por sinal também donos da Fábrica de Refrigerantes Vitória,que ficava na
rua Francisco Newton.



 
Este comentário foi removido pelo autor.



 
Voltei uns anos atrás...não tenho curso de dactilografia. Aprendi a escrever numa Remington e entrei para o banco. Estive 3 anos no telex...escrevia com uma rapidez que cilindrava!! Eh eh eh beijinhos.



 
Paulinha... As Remington não eram maquinetas de fazer a barba? ahhhhh tou no gozo, mas que as há ainda, isso há...Beijinhos. Pudera, a maquineta fazia buraquinhos naquelas tiras de papel e depois para enviar, colocar as tiras e lá iam elas, (as letras em palavras) mas que engenhoca inventaram..Beijinhos



 
Gonzaguinha, essa da Enamel ou coisa assim, memso ao ladod a Shell, mais tarde estava lá um senhor que tinha uma perna d epau...e tinha casado com uma senhora (pior se fosse um homi ehhhh) que era muito amiga d euma vizinha minha, já eram entradotes, seria esse? mas não lhe conhecia filhas...já estou a ver a auto reparadora, prontos, bons piropos levava dali e ia dar a volta plo outro lado, ehhhhhhhh.
Prontos, não lembro o apelido dele da coca cola, ams conhecia-o e como ja disse, o zé e a banan eram amigos do meu mano...o zé ia a nossa casa muitas vezes e o meu mano ia para a dele ainda mais...

Que emoção
Guardo no coração
Ao ver
Que como eu
viveste no mesmo
pedaço de céu!...

Que percorreste
A nossa cidade
Que estiveste
Nos mesmos lugares
Onde eu estive
Que sentiste na pele
O torrar do sol
O bater do vento
E o marulhar do mar
Ouviste a contento...

Ai rapaz, daqui nada sai cançoneta e com o meu vozeirão atroador, vai tudo ao ar...Beijinhos.



 
Ah, esses casal de que falo, da Enamel, eram aluminios, lembras-te? mesmo ao lado da Shell!...era isso...estou a fazer confusão..beijinhos.



 
Laurinha também eu fiz o curso de dactilografia... Há quantos anos!!!!



 
Ehh Fátinha, somos umas sabidas na arte de escrever nas maquinetas, aprendemos, ora pois..beijinhos.



 
Gonzaguinha, não era a Enamel mas sima Stamel...aluminios, ora até que enfim me lembrei..jinho.



 
Enviar um comentário



<< Home