A minha Poesia em pps
Formatado por Zélia Nicolodi, Vitor Campos e Estrelinha d'Alva
(clicar na Imagem)

















Quero Alguém


O meu tecer de Esperanças!...


Já escalei a minha montanha!...


Amar-te-ei Sempre!...


Não te vás nunca!...


Não foi o ocaso


sábado, junho 12, 2010

 

Trovam as gentes!


Trovam as gentes

querendo regressar

aos tempos da paz.


Trovam os homens

esquecendo que o universo

trabalha em união.


Trovam os descansados

sonhando com um mundo melhor

sem mexer uma palha.


E eu sem a cerviz baixar

querendo chegar aos guerreiros da Luz

para a seu lado lutar.


Contra quem nos toma por parvos

e nos tenta ludibriar

fazendo do povo alguém sem voz.


Alguém que se cale quando lhes convém

mas somos nós que sofremos a dor

a fome a vergonha a traição.


Trovem no tempo que passa

ao vento que nos traga a mudança

e ao povo que não esqueça;


Que sem luta não há esperança

sem amor não haverá perdão

e sem paz não haverá bonança!


Escrevi estas trovas (de imitação, nada tem com trovas se não me engano) depois de uma conversa com as minhas amigas; Glorinha, Lurdinhas e Jusy.
Na cevadinha matinal num dia qualquer da semana em que apareci lá. E hoje depois do passeio caminhada que demos desde as 7,30 até às 9,30 por lugares incríveis cheios de verde, beleza, uma vez mais nos reunimos e falamos sobre o mau estado do mundo e das pessoas que são egoístas...
Todas temos sonhos e ideais de um mundo melhor. E todas sabemos que não bastam os anseios de uns e outros, temos que nos juntar e lutar para que a vida possa tomar novos rumos e tudo melhore. Estamos cansadas de saber que há gente que já não consegue fazer face à vida da forma que nos apresentam a dita! Para se viver com honradez e decência, necessário se fazem mudanças, mas mudanças radicais em que o homem saiba ver por si próprio que não é na corrupção e na malandrice que se vive! Todos viemos ao mundo com o propósito de o tornar melhor e facilitar a vida aos nossos irmãos com menos capacidades, e todos somos dignos de viver decentemente! Logo, sinto dor quando vejo estragar, apoderarem-se do que não lhes pertence de forma alguma e usa-lo apenas em seu proveito! Tudo o que há no mundo chega para todos viverem sem necessidade, mas aí está. O Homem torna-se ladrão servindo-se da astúcia e má vontade, da vaidade que o impele a querer cada vez mais e sempre mais! Mal sonham eles que amanhã serão todos julgados e terão de devolver cada ceitil do que tiraram! Ora debruçando-se sobre a verdadeira Lei, de certeza que nada do que fazem agora, fariam, mas... Não se trata de ser fraco, trata-se de cobardia pensando que sairão impunes da alhada em que se meteram...


Ainda estão a tempo de reparar os erros, mas, preferem continuar a viver a vida no bem bom do que devolver o que não lhes pertence! Uma vez que com os seus actos, estão a impedir muitas famílias de viverem em paz!
Olhai à vossa volta e vede os bairros de lata a aumentar, as famílias onde o pai e a mãe não têm trabalho! Usai o que ganhardes e vos sobrar em proveito de outrem. Quem sabe amanhã chegará a vossa vez de precisar...
Bom, onde já vou eu...
deixo-vos desejos de um bom fim de semana, na paz, no amor e na alegria...







Comments:
Viva Laura!
Sábias e generosas palavras, assim como os sentimentos transmitidos, no maravilhoso poema e no bem elaborado texto.
bjis
J



 
Olá Jorga, ah, ando numa de revolucionária,sempre fui rebelde e revolucionária, embora fosse ensinada a ser sossegadinha...não valeu a pena, agora sai tudo cá para fora...Há muita injustiça contra os mais fracos e oprimidos, todos juntos algo faremos se houver vontade..Um abraço da laura



 
Temos mesmo que botar pra fora essas angústias. Também não consigo viver com tantas injustiças. Muito bom seu texto. Bjsssssssss



 
LAURA

Li seu texto e debrucei-me neste tema:
E hoje depois do passeio caminhada que demos desde as 7,30 até às 9,30 por lugares incríveis cheios de verde, beleza, uma vez mais nos reunimos e falamos sobre o mau estado do mundo e das pessoas que são egoístas...
AH...como eu gostaria de ter assim companheiras para uma caminhada por lugares cheios de verde...e, quem me dera ter saúde p/poder fazer uma caminhada de 2h...só posso mesmo fazer 30minutos e não tenho quem me acompanhe.

Escute, não é inveja, é apenas um desabafo.

Quero-lhe dizer que também estou a participar na blogagem colectiva que a amiga Zambeziana desafiou meio mundo e eu aderi.
Acho uma interessante iniciativa. Veremos se consigo estar à altura.

Beijos.



 
Laura, penso a mesma coisa que você. Parabéns por conseguir colocar os seus sentimentos de revolta na forma de poema e de texto. É muito bom encontrar pessoas como você que não se conformam com os rumos do mundo. Às vezes, tenho a impressão de que encontro mais pessoas conformistas do que inconformistas. Por que se conformar com o estrago do meio ambiente, por exemplo? Às vezes, tenho também a impressão de que as pessoas gostam mesmo de sofrer. Ah, sinceramente, vejo que o dinheiro é o que move no coração das pessoas. Antes de pensar no amor, pensa-se no dinheiro. Antes de se importar com o próximo, pensa-se no dinheiro. E assim vai... O dinheiro é o "deus" da maioria das pessoas, infelizmente... Mas não podemos ficar de braços cruzados. Há muito o que fazer! Beijinhos da Lu!



 
Vou tentar seguir os conselhos, mas eu costumo ser "do contra"
Já o mesmo não digo das trovas.
beijinhos Dolces



 
Querida Laura.
Não sintas revolta, vive o mundo tal como ele é. A revolta gera revolta, vê as ondas do mar. Voltam, revoltam, tornam a voltar e, o mundo fica sempre no mesmo lugar. Não perguntes ao vento que passa, por muito que perguntes nunca obterás resposta. Já reparaste o tempo que se passou desde que vieste ao mundo? Não foi ontem? Que passagem tão rápida que nem deste por isso? Lembra-te que não se deve chorar sobre o leite derramado. Então tu com toda essa pujança ? Não filha, sempre em frente que o amanhã foi ontem. Um abração do tamanho do mundo. Teus amigos Fernanda e João.



 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.



 
Entre trovas tuas,aqui em jardins teus,a saudade saciar vim,pois me abandonastes,esquecestes deste irmão ancião,que carece de doçura tua,até girassois de campos meus,tristes e sem brilho permanecem,sem o brilho de aura tua,para que eles nutrir-se possam!

te amo mana inesquecível

viva la vida



 
Estamos cada vez mais rodeados de "chico-espertos".
Nunca aquele dito do "anda meio mundo a enganar o outro meio" teve tanta actualidade.
Toda a gente devia ter vergonha da pobreza que alimenta. Seja ela material, moral, intelectual, etc.
O teu post, poema mais texto, é excelente. É um grito que se ouve bem alto (sabes gritar quando queres...).
Querida amiga, parabéns por este post.
Boa semana, beijos.



 
Este comentário foi removido pelo autor.



 
Ah Laura Laura

Ficam-te tão bem esses sentimentos
Mas quem tos ouve? Só o vento! São trovas do vento que passa, mas nem o poeta as escutou e aí o vento passou.

Vivemos num mundo cheio de utopias. Queremos o bem e fazemos o mal, mesmo inconscientemente, batemos a mão no peito e dizemos: «Por minha culpa, por minha culpa, por minha tão grande culpa».

Enquanto assim o fizermos a culpa de um mundo egoísta e cruel irá continuar e as pessoas no peito bater:«Por minha culpa, por minha culpa, por minha tão grande culpa».

Quanto no amanhã serem julgados, ninguém julga ninguém. Podemos acreditar nisso, e isso faz pensar que assim será, mas não haverá Juízo final. Quem faz o mal morre, quem faz o bem morre também e nada há mais do que isso. Mas é sempre bom acreditar sempre se morre mais feliz.

Tudo de bom



 
Querida Marli, os seres humanos, a maioria são safados, pensam que não vemos nada do que fazem, e deixam que haja fome e dor, nada fazem para a mitigar mas um dia!...
Um dia sim, chorarão eles em dor.
aquele abraço da laura



 
Querida tulipa, as amigas em questão, trabalham no restaurante e só entram pelas 10.00 assim ás sete e meia estamos no ponto de encontro e, é uma delicia, sozinha só ando pela cidade não me meto ali é encoberto e nem sempre anda lá gente...é uma delicia, mas a amiga pode sempre ligar a uma amiga e lá vão as duas devagarinho e com calma dar essa meia horita de passeio benéfico..
Um abraço apertadinho da laura



 
Lu amada, é mesmo assim, as pessoas querem apenas viver para elas e por elas e o resto? querem lá saber..certo que sozinhos nada fazemos mas todos juntos algo conseguiremos...
è bom que muitos vão começando a usar as suas ideias e formas de minorar a dor de uns e outros...
Um abraço apertadinho da laura



 
Querido Kim, do contra sou eu quase sempre ehhh somos assim, nada a fazer... As trovas sairam em momento de raiva depois de tanta treta para que o mundos e torne num lugar melhor. Beijinho da miuda das resteas.



 
João, nem pareces tu a falar! Então devemos deixar que façam o que querem? certo, e os que mais sofrem? injusto e muito, é sim...
beijinho da laura que não vai nada encolher os ombros e dizer que ; deixa andar..uma ova é que é..



 
Oh, mil desculpas querido e amado Ricardinho, nem foi por mal, estamos todos cansados de blogar e deixo para amanhã ou depois e o tempo passa...Lá irei meu amigo, lá irei mimar você..beijinho e abraço apertadinho da laura



 
Viva amigo Nillson, os tais dos chicos espertos um dia deixarão de ser tão espertos assim quando alguém tiver coragem de se tornar justiceiro, nada mais merecem senão sentir na carne o que fazem aos outros...
Aquele apertadinho abraço da laura



 
Marius, aqui a miúda das resteas não bate com a mão no peito, não senhora, ela sabe que tem as suas faltas, mas jamais faz algo contra alguém para ofender...e se puder ajuda a minorar mesmo que seja pouco, dou de coração aberto... Ele sabe de tudo e tudo vê.

desculpa lá rapaz mas a vida continua depois desta vida e acho bem que assim seja, os maus pagarão tanta maldade e os bons terão melhores formas de vida ou há justiça ou?...
Acredito assim..Não sejas tão terra a terra, vamos para a casa do pai, o único Lar onde pertencemos...
Aquele abraço apertadinho e muitos jinhos da laura agradecida pelo blogue quase há 4 anos...que continuo a ver como o melhor presente para os tempos que estava a atravessar...



 
Deixe lá...

O que é preciso é ir sempre escrevendo!

Bjs



 
Primo Vieira. Ah, o escrevendo esse sai a toda a hora, basta querer, basta estar com a alma virada para o lado do vento..e as trovas, poesias, fados e canções, saem ás mãos cheias...
Aquele abraço da laura



 
Nina;

Olha lá, não sei o que se passa mas depois que eu fiz umas mudanças no meu blog, não consigo mais entrar no teu!...
Antes, bastava clicar num dos teus livros e entrava, agora,... nix.
Lá entrei através do Kim (que abriu a porta) e cá te encontrei.
Bom,... agora vou trabalhar, porque afinal ainda há gente que não sabe fazer outra coisa que trabalhar!!!.
bjs, Nina

da Ana e Osvaldo

Ps. A Neide vai bem?... certamente que sim, não é?!...



 
Oí, passei só para te deixar um beijinho ! Muito trabalho e actividades me esperam, como sempre depois duma ausência de casa.
Voltarei quando encontrar um pouco de tempo...

Verdinha



 
Há muita injustiça, sim Laurinha.....e compete a cada um de nós combatê-la.....o que nem sempre acontece.

Estavas inspirada nesse mata-bicho...ahahahh

Beijokitas



 
Ai Osvaldinho, a quem o dizes.
O meu foi formatar de novo, estive mais de uma semana sem ele, entrava pelo do manel, mas, olha, agora tenho de fechar o gmail se quero entrar aqui e claro, abro-o menos vezes...

Vê lá se fizeste asneira. deus te livre de ires desaparecendo com a desculpa do pc...hum..Beijinho a ti e Aninhas da laura



 
Pois estava parisiense, era na cevadinha, lá pelas 10.30...já vou matabichada é mais um aconchego de cevadinha e treta amiga.
Um abraço apertadinho da laura



 
Enviar um comentário



<< Home