A minha Poesia em pps
Formatado por Zélia Nicolodi, Vitor Campos e Estrelinha d'Alva
(clicar na Imagem)

















Quero Alguém


O meu tecer de Esperanças!...


Já escalei a minha montanha!...


Amar-te-ei Sempre!...


Não te vás nunca!...


Não foi o ocaso


quarta-feira, fevereiro 27, 2008

 

O Cais da Ribeira!...




O Cais
É apenas um luga
r
Por onde

Costumo passar

E onde de tempos a t
empos
Vou soltar meus ais!...

Onde solto as amarras
Dos meus pensamentos
Tão desiguais
E onde também voam
Gaivotas
E cantam os pardais...

Onde os homens gritam
As suas raivas
E as mulheres vão de noite
À aventura
Que se transforma
Em desventura!...

Onde o fraco e o forte
Não conseguem lutar
Contra o vício
Que os consome
E não conseguem
Parar...

O Cais
Onde o homem deixa de ser
Homem
E a mulher deixa de ser mulher
E onde ambos deixam de viver
E acabam
Por morrer!...







Comments:
Hi
You have a great blog!
Let me invite you to:
eBambi
Present yourself
and meet your friends.
Join now:
http://www.ebambi.com



 
Esse Cais da Ribeira fica onde? No Porto?

Bem, todos os cais são um bocado aquilo que descreves no teu poema, homens, mulheres em azáfamas diárias e outros homens e mulheres em lides nocturnas...

Jinhos, nina!



 
Passei para fechar a porta da gaiola, tive uma premunição de que já tinhas voltado..Encontro-te num cais(não o do Sodré) mas o da ribeira.. As zonas ribeirinhas e os cais particularmente ´~ao lugares deveras especiais onde gosto de ficar silenciosamente a observar o vai vem da água , o esvoaçar das gaivotas, o corre corre das pessoas que entram e saiem dos navios.. O lixo que se amontoa e que é a nossa vergonha.. Beijinho , estende as asas de quando em vez, treina, um dia quem sabe?



 
tété, olá, sim é o Cais onde mostraram as imagens dos gangues por onde and ao pessoal, aind alá estive num Domingo à tarde quando fiz aquela viagem ao Porto no combóio e queria fazer a dança do ferro, lembras-te... Barcos a ir e a chegar, gente de todos os tipos e feitios, sentei-me nos bancos a apreciar, e claro, diz a minha amiga mais tarde; vamos embora que isto daqui a nada está deserto, e a cidade também! Porquê? está-se aqui tão bem!, pois está mas é tarde, e se reparares está tudo a ir e ninguém a chegar!, daqui a nada vêm as ninas da noite e o pessoal...enfim, lá fomos e na verdade é o que se diz! Voz do Povo voz de Deus...
Beijinho.



 
é nina Ell, por vezes o lixo amontoa-se e isso é tudo falta de limpeza a tempo e horas... e se fosse mais policiado e as pessoas se atrecvessem a sair com menos emdo, talvez aquilo regressasse aos tempos de outrora, pelo que li e onde nunca andei, ..adoraria ver e assistir às noites de boémia, adoraria sim, sair, beber um copo, ouvir musica até horas mortas, dançar, sei lá..e voltar pra casa bebida isos já não..mas gostava de um dia poder assistir a isso (deixa-me ouvir!)e até vens ter comigo..temd e se crir locais assim, mas onde não haja o medo de se ser atacado roubado, etc...
Jinho e a gaiola deixa pra lá, tenho dias em que dói e outros em que gosto de estar nela...enfim, uma troca tintas...



 
Os Cais já devem tiveram melhor cotação, penso eu de que ...

Eu gosto de observar o mar, mas de preferência longe dessa labuta ou faina que lhe está inerente... sou alérgica a multidões eheheh



 
e, não falo ou leio Inglês e assim; beijinhos...



 
Mas adoro a ligação que o cais tem com as gentes ó pascoalita...
É tudo recordações dos tempos idos e de ler e ver na tv nos filmes antigos.
jinho a ti e a garrafinha de vodka já foi á vida, e entretanto vejo a luz do tm no escuro do quarto.



 
Mas que linda imagem nocturna do cais da ribeira eheheh
Vista assim até parece uma zona bem calminha e relaxante eheheh
Não conheço

Mas a minha madrinha, desde que se mudou para o afeganistão, anda muito sensível e saudosista, ou é impressão minha?



 
Não perdes uma eheheh
E tudo serve para fazer poesia, laurinha :)

Mas que lindos e perfeitamente ajustados versos!
Jinho grande da Adry



 
salvé a chegada da minha amiguinha adry... ah, nina nem sabes como goto de ti assim muito muito... e nem imaginas estes momentos dentro de mim... um dia lembra-me para te contar o que se ia passar nas alturas do soltem minhas asas, claro que será quando nos encontramos em Lisboa, ora essa... Beijinhos, e nem é nada de amor ehhhhh, nada disso...



 
cusquinha, a madrinha no afeganistão da vida sofre semrpe por isto e aquilo. avida não é o que parece, por vezes parece um monstro prestes a sugar-me, mas, vamos ver..

O cais à noite com tudo iluminado é lindo, lindo, e de dia é que se vê o que a noite deixa ficar; corpos adormecidos encostados às paredes, nos bancos, alccol a mais, drogas, enfim... esté dificil de viver, sim senhora..aprende cusquinha...



 
"Dans le Port d'Amesterdam" , foi o que me fizeste lembrar com este teu poema do cais. Esta musica de Jacques Brel retrata justamente o mesmo que o teu poema, só que em Amesterdam. Todos os cais e todos os portos tem uma vida propria.....sempre assim foi e sempre assim será......
Beijokitas



 
tal e qual parisiense, todos os cais têm uma vida própria e como sou surda dos quatro costados, não conheço a musica do Jaques brell e adoraria ouvir e que me interpretassem a letra... beijinho.



 
Oh, se não me lembro dessa dança do ferro, eh, eh, eh! :)
Jinhos, nina!



 
É um Cais, um lugar, um passado de acontecimentos múltiplos...
Mas é também um poema que comove e traz a nu realidades da vida!



 
ai lembras lembras tété, que até disseste que vinhas tão distraída que pensaste que ia dançar com o ferro de passar..só tu.., beijinho gandinho pa ti.



 
Amaral, é mesmo, o cias tem que se lhe diga e quem souber sentir na alma a dor da muitas almas que por lá passaram...
Beijinhos.



 
"Quem vem e atravessa o rio
Junto à Serra do Pilar"...

Quero mandar-te um mail. Como faço?

beijos



 
Laurita, conheci a Ribeira antes de se tornar um local 'in'.
Muita vida tradicional,dura e franca. Genuíno mesmo, tal como o Porto.



 
Alkinha, ainda lembro de ler sobre os nossos artistas, cantores fadistas, actores, os poetas e os estudantes das noitadas, era tudo boémio...devia ser májico se acontecesse nos dias de hoje...Ah como gosto da palavra Boémia...
Beijinhos mas já é tarde...



 
tentando cumprir o prometido e ser mais assídua ...

passei para deixar votos de bom fim de semana antes de me embrenhar no trabalho que hoje será até às tantas.
Um beijo carinhoso da
Adry



 
Este teu cais tem tatuado o teu sublime sentir...


Nos umbrais do pensamento
Mora o desejo no limite da razão
Roubando os segredos do corpo
Lançando ao vento a emoção

Uma rosa breve guarda a beleza
O amor é orvalho de feliz pranto
O horizonte é o começo do infinito
A chegada de uma onda é alegro canto

Convido-te a sentir o beijo da chuva

Bom fim de semana


Mágico beijo



 
Laurinha hoje estou preguiçosa (deve ter sido a pascoalita que me pegou a preguiça...hihihihih)mas vou procurar a letra da musica de Jacques Brel e depois ponho-a aqui ou no meu blogs.
Beijokitas



 
menina laurinha,

excepcionalmente tirei uns minutos na minha hora de almoço para voltar a passar pelo teu cais.
Ainda estou um pouco abalada com o assunto do meu último post e também tenho uma pergunta:
será que no cais da ribeira também vendem "ovos podres"?



 
Este comentário foi removido pelo autor.



 
Laurinha um destes dias combinamos e vens até cá para irmos visitar os cais aqui da zona. FICA O CONVITE E FICA UM BEIJINHO..



 
Ainda bem que não é na Ribeira dos Milagres!
;)



 
Menina adry, estive a relembrar por causa d eum mail que escreveu o meu grupo, o balançar na rede, o meu noivado com o naneo, minha nossa, nem sei como escrevi coisas tão lindas, era ele e eu e vós todos a empurrar, até o amrius fez musica e posias linda... Até fiz a nina parisiense ir lá ver, se nãos e lembram está no ano passado, julho, dia 9 resposta a um balançar de rede, ou na rede, mas que giros os comentarios todos..so que depois ele começou a levar a cosia prá frente, ja pedia ao sandokan, por favor tigre, guarde a moça pra mim, e o tigre respondeu, naneno, a moça tem 55 anos e é muito legal...começou a cantar à maneira dele que detesto..e lá se foi o romance ehhhh, mas tava tão giro.
tu não trabelhes demais que não pode ser assim...
Beijinhos e miminhos carinhos pra ti. eu sempre te disse que gostarei de ti mesmo que um dia deixes de aparecer por aqui...



 
poeta, já sinto o beijo da chuva a mergulhar-me no mar do infinito. Obrigada pelos votos de fim de semana, estendo-os a ti também...



 
a musica e mais com um nino nosos amigo, tu sabe slá por a musica...já aprendeste? mas põe que adorarei ouvir e bota a letra por favor...
deixa-te de preguiças..jinho e podias aparecer no msn aqui e agora. vou ligá-lo a ver se te apanho.



 
ó nina adry de novo, mas que vergonha os ovos que te venderam, fizeste bem em guardar para servir de prova..mas que abuso, aqui na vendem disso, em lisboa é mais o negócio, aqui nem se lembrariam de fazer uma dessas, enfim...

nina ell a laurinha em lisboa teria de ser mesmo um milagres nestes tempos...mas quem sabe de verão apareço e marcamos todas um lanche, levamos sandes de casa na maleta e comemos no cais a ver as gentes passar e depois apanho o comboio de novo e volto pra casa...adoraria que a nina adry pudesse ir a africana e a pascoalita idem e a alkinha, o jotinha se pudesse seria ouro sobre azul ehhh e mais alguns..nada desses almoços caros para todos porque nem todas podemos pagá-los... ah como gostaria, por isso invento as nossas viagens por ai fora para nos juntarmos...
beijinhosssssssss



 
capitão emrda, a ribeira dos milagres é no Brásiu? pois é...e tu já comnheces? e conheces o cais do porto?ân? beijinho.



 
Fica combinado.. Vão adorar..beijinho..



 
acredita Ell, um dia destes nem muito frio nem muito quente, as gordas derretem as banhas de verão... eu prometo que combino contigo, já sei que vais er empatia fulminante, aliás, já é, amizade amor, ternura tudo junto nos verdadeiros seres humanos que nós somos...
Obrigada pelo convite...extensivo aqui a Braga sempre que queiras preciso apenas de saber quando e mais nada, de comboio camioneta estarei à vossa espera... beijinho.



 
Enviar um comentário



<< Home