A minha Poesia em pps
Formatado por Zélia Nicolodi, Vitor Campos e Estrelinha d'Alva
(clicar na Imagem)

















Quero Alguém


O meu tecer de Esperanças!...


Já escalei a minha montanha!...


Amar-te-ei Sempre!...


Não te vás nunca!...


Não foi o ocaso


terça-feira, novembro 06, 2007

 

Resposta ao Carlitos dos ii...




E às suas cem razões para não se sair de casa...ou da cama...
Há mais de cem razões, e apresento algumas, podem ser ilógicas, mas cada um sente como sente...

A sociedade devia viver de outra forma, e foi a ganância da maioria que levou outros por arrasto, e chegamos ao que chegamos apenas por isso, os bens materiais...

As mulheres deviam apenas trabalhar meio dia, ou seja, apenas umas horitas que fosse, e bem pagas. Poder acompanhar os filhos e não ter de os levar a amas e creches, sendo pequenitos elas ficariam em casa, crianças precisam do colinho da mãe e não das amas que nem as amam, amam apenas o que podem ganhar com elas (claro que há amas muito doces e amorosas, mas a maioria e pelo que eu já vi apenas quer o proveito)

Muitas mulheres também entraram no mercado de trabalho para andarem bem vestidas e para os maridos (sic) as verem tão bem vestidas como as amantes que eles arranjavam enquanto elas ficavam em casa com roupas fracas a fazer as coisas para eles...

O conceito família está a acabar por isso mesmo, mulheres querem ser livres (a maioria) e já aprenderam que não vale a pena serem escravas de ninguém (por vezes concordo com elas e se tivesse de recomeçar, era por aí que ia) pois eles e elas divertem-se à grande com amásias e amásios, e a maioria fica em casa a tratar de tudinho para eles e os filhinhos que mal agradecem, apenas exploram e pelas queixas que ouço sem ouvir...Concordo com um a grande parte disso e entendo as jovens que estão a ser mais espertas que nós...entendo e aplaudo)

Lembro-me de quando era pequena a maioria das minhas vizinhas ficava em casa com os filhos, acho que nem havia creches, e os maridos iam trabalhar, a pé, de bicicleta, e na minha rua nem me lembro de algum vizinho ter carro,uma mota já era um luxo na altura, mas claro que havia muita gente que tinha, ams não onde eu morava, e se os tinham fechavam-nos na garagem e só se tiravam para os passeios Domingueiros... claro que havia senhoras que já trabalhavam nas cidades, nas casas de modas, talhos, na praça, fábricas que começaram a abrir, enfim, mas ali onde morava nenhuma delas trabalhava.
Lembro-me das mães irem às janela dizer adeus à filharada que ia para a escola, cedo demais achávamos nós, a lamentar-nos pela rua, de luvas de lã e enregeladas, pois a roupa chegava o frio é que sobrava, andávamos a pé perto de meia hora, os pais viviam todos mais perto do trabalho, e deviamos ter ido morar nós para perto da escola, mas... porque cargas de água a escola começava tão cedo e ainda era escuro quando íamos para lá? Isso faz-se às crianças? Nos dias de hoje há muitas que, sózinhas têm de palmilhar muito para chegar a algum transporte ou escola, as mães que remédio têm de os deixar ir e ficam cá com uma angústia...
Eu adorava quando íamos brincar e tínhamos a mãe em casa e fazia a comida e brincava connosco, íamos à praça e eu ajudava a carregar a alcofa cheia de coisinhas boas...

Bem, razões temos de sobra para ficar em casa, uma delas pode ser o dormir, só que eu detesto ficar ali a pensar no quentinho, dá-me ganas de me levantar e vir para aqui ver o correio da noite. Muitas não dormem bem e se dormissem mais umas horas de dia, acredito que a maioria das depressões, passaria apenas ao lado, mas...

Eu não sou preguiçosa e há muitas como eu que pensam assim, adoro trabalhar, mas tenho muito que fazer em casa, trabalho em consonância com o que tenho para fazer, ajudo também a ganhar algum, o que posso, mas só o de ter 5 pessoas em casa e ter de costurar para ganhar alguns euros, já me leva horas e horas, mas consigo fazer batota e não tenho patrão, se quiser ir para a rua apanhar sol ou ter com as amigas, costuro à noite em vez de ver a novela, e, por vezes coso até à uma da manhã, mas que me rala,se durante o dia fiz o que quis? Era o que faltava chegar a casa e ter tudo como deixei de manhãzinha!...Já o fiz noutros tempos, sacrifiquei-me e depois!...Imaginem se quiserem, mas nem me valeu a pena e por essas e outras agora penso de outra forma...

Todos deviamos fazer e viver como queremos e ponto final...Sei que seria a anarquia completa, mas o mundo seria melhor se todos pudéssemos viver de maneira mais airosa, sã e feliz...

Todos deviam ter euros que chegassem para o suficiente, nem era preciso ter demais, os gananciosos que trabalhassem a dobrar, triplicar e não a explorar os outros...e por causa deles e de muitas mães verem os filhos dos outros e as outras, melhor, mais in com tudo, lá tiveram que ir ganhar para viver com melhor qualidade de vida. Foi o que foi. Filhos abandonados, entregues a si próprios, mães que só vinham para casa de noite, derreadas e mal alimentadas, os miúdos começaram a fazer das suas, começaram as charradas e as drogas mais pesadas, os cafés a toda a hora e o querer ter o que os outros têm, e ainda acontece nos dias de hoje. Há mães que só trabalham para isso, e, nem lhes chega...e recebem cada palavrão em agradecimento...

Não me perguntem quem começou, mas posso sempre responder que foi a ganância e mais nada. Antigamente vivia-se tão bem no campo e foram querendo mais e mais, e, é o que se vê, todos os campos se transformaram em cidades, e poucos resistiram a viver com pouco mas ter melhor qualidade de vida e melhor forma de viver. Todos diziam que a vida do campo era dura e era melhor trabalhar e ganhar do que estar ali a cavar sem ter a sua casa os eu carro, os seus bens, e...
Sei que era preciso crescer e evoluír, estudar, formar-se, mas não se transformaram em pessoas melhores por isso, transformaram-se em maus patrões ( a maioria) e por terem dinheiro tornaram o viver de muita gente num inferno diário, que é o que se vê...

Sei que o tempo cada vez está mais curto para as mulheres, porque elas é que têm de tomar conta dos filhos, da casa e de muita coisa mais. Ao constituir famílias a nossa vida mudou e os fins de semana que deviam ser apenas para nós (ao menos isso)!...continuamos, enfim, arranjamos ainda mais sarna para nos coçar aos fins de semana, e só quem tem euros com fartura é que pode relaxar nesses dias, pois tem a muié a dias a fazer de tudo...é bom, pois é, mas nem todas podem tê-las, porque é preciso isto para os filhos e aquilo para os maridos e o rais que nos parta a nóiiiiiiiissss...ehhhh...

Ehhh carlos, prometo um dia dedicar-te coisa melhor, mas por agora sai a raivinha que tenho dentro de mim logo de manhãzinha, mas...

Bem, como apanhei a parte humana em ti e...Beijinhos e desculpa lá só queixas e nada de coisas boas, vai para a próxima...
Tás a ver? eu apenas queria ter a dolce vita desses dois ali acima e uma casita com uma vista dessas para o mê jardim!...e poder estar assim, refastelada como esses dois ali acima e ter junto de mim o amor da minha vida!...É pedir muito?







Comments:
Affe!!!!!!!!!
Isso é o que chamo de "Diario de uma mulher que sabe o que diz". E tudo com senso, pois a coisa é mesmo por ai. Os homens reclamam que ficamos frias e possessivas, mas queria ver muitos deles fazerem o que fazemos; sangrando 4 dias por mês, tendo TPM e carregando uma gestação de nove meses que mal nos deixa dormir, além de trabalhar além de qualquer jornada.
Bom seria acordar às 10 com café na cama e o jornal; depois uma sauna, um bom chuveiro, um almoço na piscina servido por um belo garçon e a tarde um massagista, um esteticista, um cabelereiro. À noite um jantar romântico...Ai meu Deus! Sonhar não custa nada...

beijinhos



 
Tens razão ó menina do rio, mas eu já nem pedia tanto, mas,se vamos por ai, então é que era...Boa ideia, e claro que as riquezas que há no mundo, se bem distribuidas chegavam para todas podermos ter esses luxos, pois bem estar é coisa que todas as mulheres deviam ter...
E mais nem digo, já disseste tudo, aquele bocadinho até me deixou a suspirar...
Beijinho a ti...



 
Embora concorde com muito do que dizes, especialmente sobre a ganância (e porque não dizê-lo, a sede do poder, de "ser ou ter mais do que os outros") aliada a uma certa inveja, há um aspecto sobre o qual não concordo: muitos homens, hoje em dia, ajudam imenso em casa e a tratar dos filhos.

Pelo menos daqueles que conheço, de 40 e tais 50 e picos, independentemente de serem mais ou menos desafogados economicamente...

Uma das vantagens de se estar em casa é precisamente a disponibilidade de cada um(a) fazer o seu próprio horário para as lidas diárias.

Jinhos, Laurinha!



 
Bem ... se isto eram umas coisinhs que tinhas pra dizer ao Carlos dos ii ...

Minha nossa! A laurinha endoidou ahahahahahahahah

Fazes-me lembrar uma colega que entendia que as mulheres, donas de casa, deviam ter um salário por cuidar da casa. Dizia ela que imediatamente se desempregava.
Mas qdo eu argumentava que a ser assim, quem optasse por continuar a exercer actividade profissional fora de casa, teria então direito aos 2 correspondentes salários, discordava em absoluto! Na sua opinião, as mulheres pura e simplesmente ficariam em casa eheheheh



 
Este comentário foi removido pelo autor.



 
"Todos deviam ter euros que chegassem para o suficiente, nem era preciso ter demais, os gananciosos que trabalhassem a dobrar, triplicar e não a explorar os outros"

Claro! Os "gananciosos" que trabalhassem ... no fim repartiriam os lucros por quem devia poder fazer o que quisesse, incluindo ficar todo o dia a dormir ora essa! eheheheh

Ninguém devia ser obrigado a bulir e a ninguém devia faltar os EUROS para o que fosse preciso. Nem mais !!! ahahahahah



 
T´té...
Boa, mas adorava conhecer os tais dos homens que conheces e ajudam em casa e tratam dos filhos e tudo...Posso conhecer apenas uns dois ou 3, o resto são ajudas mínimas como ir ao pão, comprar isto ou aquilo, mas sabes muito bem que a maioria se marimba para tudo e todos os dias há discussões e mais discussões por causa disso, Não tenho nenhuma amiga que diga que os maridos ajudam...Ou que monetáriamente lhes dêem parte do que ganham se elas não trabalharem, ou estejam desempregadas etc etc..menina esses teus conhecidos mereciam uma medalha de honra, acredita...Há os que arranjam tudo o que se parte, avaria, etc etc o meu faz isso, dependendo da vontade de ser hoje amanhã ou para a semana, mas...se perguntares ao mulheria como é, elas dizem-te a verdade...
E claro se houvesse melhor distribuição de euros...
Beijinhos a ti.



 
Pascoalita, e o carlos nem aparece, decerto assustou-se, mas acho que não é homem para isso...ele faz frente, ele deve ser dos que, pouco, mas ajudam...
Claro que há Países onde pagam às mulheres para ficarem em casa a tratar dos filhos e recebem salários até bastante bons...claro que é preciso que haja dinheiros para isso, só que aqui desperdiçam-nos em estradas para demorarmos menos a chegar ao trabalho ehhhh, facilitam por ai, nem todas precisam...
Beijinhos...

Ah, missesfinge, claro que haveria e haverá e sempre houve, preguiçosos, esses de qualquer maneira têm de comer e viver...Se todos godtassem do trabalho que fazem, acredito que deixariam de existir os preguiçosos, é que há quem goste de tudo, mas está no trabalho errado...
Beijinhos..



 
Qdo eu era miúda, a minha mãe, na sua visão realista e ciente de que a ideologia defendida pelo comunismo era uma perfeita utopia, dava-nos o seguinte exemplo:

Um pai muito rico, dava um dote exactamente igual a cada um dos seus 2 filhos adultos.

Ao fim de algum tempo, um deles por incompetência, comodismo, má gestão, ou mera falta de sorte, perdia tudo! Pelo contrário, o outro irmão com árduo trabalho e sagacidade duplicava o capital inicial!

No mundo idealizado por Thomas More como se devia agir para se manter a felicidade de todos??

Provavelente, o filho que obteve sucesso, deveria repartir o lucro com o outro, nera Laurinha??? ahahahahahah



 
Há dias em que gostava de ter um nikinho do teu lirismo eheheheheh



 
Ó nina adrianna, claro que de comunista nemt enho nada, nem sou de uns nemd e outros, essa dos aprtidos é uma grande aberração que só serve para separar pessoas, estou apenas a falar de termos melhor vida e melhores condições em tudo e mais ajuda dos maridos, não está em causa ter tudo uns e por ser preguiçoso nada se ter...
´É apenas uma maneira de dizer que gostaria de ver muitas das minhas amigas, incluindo tu (até) a viverem melhor com menos h de trabalho e mais euros para agstar para poderem viver como uma mulher deve viver, livre de tantos que fazeres que tem pela frente desde que se levanta até que se deita...



 
Cá pra mim, a culpa é do Carlitos ... deve ter deixado cair os "ii" ... estes desorientaram-se, ganharam velocidade e bateram em cheio na caixa dos pirolitos da laurinha ahahahahah



 
Esta betinha tão fofa e que se esconde atrás de uma nina sensível...
A minha caixa dos pirulitos sofre por ver tanta gente maltratada tanta gente que merecia mais e não tem, e outros que mereciam um grande pontapé no traseiro, e, têm de tudo e mais alguma coisa, enfim..deixa lá a minha caixa dos pirulitos betinha, ela deve ser como a tua, quase, quase, apenas tenho mais anos de experiência ...não muitos, mas um que seja, já se aprende imenso...
Beijinhos doce nina...



 
ehehehehe escondo nada, menina laurinha! Se há alguém que por aqui anda bem à luz do dia e quase nuazinha da silva, sou eu eheheheh



 
Caro que eu não estava a falar em termos partidários, laurinha! E tu sabe-lo bem.

Apenas usei uma das muitas parábolas a que a minha mãe, mulher do campo pouco instruída mas muito sabedora, recorria como auxiliar na formação moral e pessoal dos filhos!

Depois, a minha experiência de vida ensinou-me que exceptuando o caso daqueles que são bafejados pela sorte e lhes saia a taluda e/ou os que recebam uma herança, o trabalho é o único meio que conheço para atingirmos alguma independência económica.

Comecei a trabalhar muito cedo e nunca me arrependi! Tento gerir o tempo e conciliar as tarefas domésticas com a vida profissional, mas nunca abdicaria da segunda em prol dos filhos. Com menos hesitação teria optado não os ter. Talvez seja egoismo ou comodismo.

Um beijo a ti



 
Sorry menina adryzinha, sorry pois, mas pareceu-me, sei pedir desculpa e não fazer de conta...
Nem sempre quem tem sorte, mas quem trabalha e sabe para onde dirigir os passos...
Eu pouca ou quase nenhuma queixa tenho dos meus, falei no geral, rara é a minha amiga que não diz (quando está zangada com os filhos) que se fosse hoje não os tinha...Os meus são doces e o mais que possam fazer é se eu quiser que me façam algo e estejam ocupados ehhhh, ama eu troco-lhes as voltas, de resto são meigos muito humanos e cheios de mimo pá sapinha deles, o Nuno se mandar mensagem diz sempre; sapinha...diz I love u no fim, dizem todos assim mesmo não é you.
e acredita minha amiga que precisamos de ter a vida com menos carga de horas de trabalho fora de casa e merecemos mais mimos, atenção, carinho e por ai fora...para que a vida valha a pena...



 
iiii! o que vai por aqui!

Eu só estava a ironizar com as "As 100 Razões para não sair tão cedo de casa". Ironizar com um assunto que é muito real.

Realização pessoal com este tipo de vida!? Bah!

Só que as pessoas estão tão bloqueadas com esquemas tradicionais , que até aceitam serem escravos do sistema.

Li,escreveu a Pascoalita suponho, que,há-de chegar altura que as pessoas um dia trabalharão a partir de casa. Com a revolução da informática, não me admira nada.
Li também algures que caminhamos para a sociedade do lazer.

Já o Aristóteles dizia, há 2500 anos, "Existe apenas uma condição na qual é possível imaginar os chefes não precisando de subordinados e os mestres não precisando de escravos. Essa condição seria a de cada instrumento poder fazer o seu próprio trabalho, numa espécie de mote próprio".

Por enquanto, vamo-nos contentando com isto - a condenação de pessoas a trabalhos desprovidos de sentido, cada vez menos necessários, só porque é necessário "matar o tempo", e a nossa fome de consolação e dignificação. Ou então mantidos, como diz Robert A. Wilson, apenas porque os sindicatos receiam ver os salários descer.

Até lá, vamos lá levantar o cu da cama às 6 da manhã.

P.S. Eu não merecia a relevância desta colocação da Laura.



 
MUDA-TE PARA MARTE NINA!



 
Ó carlitos, mas eu apenas quis escrever, rir, mostrar que há quem goste de descansar mais um cadinho e que não precisassem de trabalhar tantas horas, porque tenho muitas amigas que até choram de não conseguirem aguentar o ritmo de trabalho que lhes é imposto, seja no estado no funcionalismo ou numa qualquer empresa, cada vez abusam mais e mais e o ser humano não foi feito para esse tipo de trabalho de demasiadas horas...
E com a falta de trabalho que há deveriam dividir o trabalho em duas metades e dariam trabalho a quem não o tem e receberiam claro, menos um tico, e claro que muitos não querem abdicar de nada..., mas acabariam as queixas de demasiadas horas dentro da empresa, e mais horas para ter com a casa e a familia o que fosse... já viste carlos, mais trabalho para mais de metade e só trabalhariam as manhãs, uns e as tardes outros , noites outros madrugadas outros e assim...era viável néra?
ehhh carlinhos não merecias, mas foi o que saiu e um dia dedico-te coisa melhor, mereces mais, tens um coração bom...
Beijinhos de mim...



 
Africana...Então vamos pa lá e tu vens também? com o trabalho que tens aqui, mais vale fujir para lé, mas, como dizia a Neide; e lá tem sweets? ai não, não tem? então não quero ir.
Beijinhos ó minha africana querida...



 
Eu conheci um homem que vendeu o jerico na feira e agora está muito arrependido. Tratem bem os animais.
Eheheheheheheh

Na baía de Luanda
Fiz a minha poesia
Amor de quem manda
E me dá muita alegria


Eheheheheheheh

Beijinhos à prima!
à prima?!!!
Não... à Laura!



 
Bons olhos, mesmo míopes te vejam ó rapaiz dos ténis super rápidos, nemt e pergunto por onde tens andado moço, desapareceste, fui em busca de tu, ninguém me disse nada a não ser o tigre que dizia sempre que em breve aparecerias e...fui aguardando. Fiquei feliz ..agora é continuar...

Não me comeces a dar a volta com Luanda que me pões tonta...
Bem, prima? porque não?...
Jinhos a ti.



 
Só posso estar de acordo contigo.. Depois de tantos anos de trabalho, tenho um sonho, poder ficar em casa á espera do meu homem, com a comida e o banho preparado, e um mimo sempre á espera, .infelizmente isso é um luxo a que não me posso dar.. mas já trabalhei tanto, que ... Tens razão Laura.. beijinhos...



 
A bicho de conta fez-me lembrar o doce "espera maridos" que eu não posso fazer pq nunca espero pelo meu, já que não sai de casa eheheheheheh



 
Minha bichinho de conta, mas podes sempre esperar por ele sentadinha à janela a olhar o céu!...Ou ele trabalha longe? Ai minha queridinha, é sempre assim, quem os tem perto, desdenha...quem os tem mais longe chora ( e mija menos, claro, de tanto chorar ehhhh)
Mas tem lá calma que tudo há-de ficar bem...
Amo a ti bichinho, sabes não sabes? pois é verdade, e nunca te pus a vista em cima ehhhhh...



 
O que me ri com a apscoalita mais o doce espera maridos, só tu ó mulher... e claro que o teu é que espera por ti, e, por vezes até desespera e ós pois é que ouves a cantilena...ehhhhh..



 
Ai Xasuuuzzzz..Ó laurita, achas que o horizonte duma mulher se limita a isso?

Pareces estar noutro mundo, a mulher cresceu...Acorda! :))



 
Ejhhhjhhh esta Alkinha já fala em xazussssss.... Sei que a muié cresceu e todos evoluimos, só estou a falar no trabalho demasiado que ela tem e mai nada. Quero que ela tenha tempo de respirar de se divertir sem ser apenas nos fins de semana e mesmo assim...
eu quero e elas querem nós queremos, apre, tão simples como isso...trabalhem mais os homens ja que desfrutam mais de tudo...mordomias que nós nem temos... Nãos e trata de modernizar, mas de ter mais horas e mais qualidade de vida para muitas...
Beijos ó Alkinha.



 
Publicar um comentário



<< Home