A minha Poesia em pps
Formatado por Zélia Nicolodi, Vitor Campos e Estrelinha d'Alva
(clicar na Imagem)

















Quero Alguém


O meu tecer de Esperanças!...


Já escalei a minha montanha!...


Amar-te-ei Sempre!...


Não te vás nunca!...


Não foi o ocaso


domingo, fevereiro 28, 2010

 

Os minino Moa!


Escreveu Angolê no meu post anterior!

Minino Moa, já viu que belezura e que ternura de foto, ucê lendo minhas poesia de amor para o nosso querido GT (grupo de Tabuaço) e mais alguns amigos que pela primeira vez conheci! e claro meus amigos ficaram!

Minino Moa, ucê sabe, lhe gosto tanto que nem mar sem fim, e por lhe gostar tanto vou viajá nos Angola e trazê a ucê aqueles remédios do Feiticeiro preto que traz raíz de imbomdêro, sementes da fruta pinha, unhinhozinho de pó da terra, benzida, raladura d'unha de javaré, e mais uma forcinha d'ervas da minha Sanzala, umas sementes de quiabinho minino, se deita no panela com quase nada de água da Mulemba, junta com água do Dembo, após benzedura da Sinhora da Muxima, e minino amigo, os carangueijo vai sartá de doido que nem diabos sortando dos lume dos inferno! Palavra de preta arual, a preta que não sabe mais mandinga porque num quis aprendê!
Vou-lhe trazê umas velas benzidas no terreiro de uximaré, e varmo dançá na vorta que vorta e torna a vortá, e vamo vêre os minino Moa de todo curá, de todo muxito e todo feliz da vida dando roda pra sua nininha querida sua Teresinha amada!

Adoro esta foto, estamos lindos, dançando e rindo, já não sei o que disseste para me por a rir, mas lá que me rio que nem doida, isso sim, e o fotógrafo Osvaldo estava lá no momento certo e mais fotógrafos pois todos levaram suas maquinetas... e o nosso cineasta Kim das Produções Kim Kim filmou e temos bocadinhos lindos juntos dos amigos e amigas que jamais esquecerei!

(existem termos inventados, palavras também, não há nenhuma receita com esses elementos porque foram tirados da minha imaginação)

Senhora da Muxima
uma velinha te ardo
pedindo que acendas ela
levando maleitas nela.

Senhora da Muxima
minha santa santinha
que tratas da minha gente
na dor tão presente.

Ó minha rica santinha
ajuda a melhorar
a saúde do amigo Moinha
que sempre vou amar.

Ó minha rica santinha
manda a cura daí
das terras longe d'áfrica
onde se ama só assim.

E eu vou ajoelhar
no terreiro lá do mar
onde a senhora da Muxima
ensina o povo a amar.

Manda a cura para ele
através do teu amor
e que tua graça amiga
tenha a Fé do Salvador!

Adoro-te rapaz Moa!
podemos não dançar no terreiro da Muxima que conhecemos tão bem.
Um dia fálo-emos junto ao mar já que dançamos no meio das ruas em Tabuaço, temos de repetir a façanha com os mesmos cantores o Tenor Kim! a voz da Meza Soprano, Verdinha, a Ana e o Osvaldo, o coro da Luisinha e do Leo, vozes de fundo, e o Luis da L&L a assistir divertido... mais o António teu mano, havemos de repetir! Juro pla minha santinha a senhora da Muxima!
Meus amigos do GT, agora com o grupo aumentado; amo-vos minha gente, e sintam o meu amor em vós sempre presente!







sexta-feira, fevereiro 26, 2010

 

Anda comigo até à minha Sanzala!


Todos os fins de semana te levo comigo para onde quer que vá. Já andamos pela neve, pelos campos verdes, as cabanas à beira rio, os assentos do Citroen, os fins de semana com os nossos amigos da blogosfera, as bicicletas de montanha, ah, desta vez arrisco ir mais longe e levar-te à minha terra amada. Já sei que também lá estiveste e sabes por alto o que sinto quando se fala dela e a ternura nos envolve quando em espírito lá voltamos.

Porque a minha terra não é qualquer uma, ambos sabemos que ela é especial, linda, amante da paz, embora a guerra já tivesse começado à muito e os nossos amigos, companheiros de infância, tivessem lá perdido a vida e nunca mais regressaram ao lar, o lar de onde nunca deviam ter saído para que a vida fosse diferente, mas, de pouco ou nada valeu. Tornamos a vir embora, tornamos a deixá-la abandonada, enfim!
Hoje deu-me aquela saudade, porque ainda há pouco falamos nela, tantas horas, tantos momentos belos a recordar o porquê de lá estarmos e o porquê de não nos encontrarmos lá, porque aí sim, aí o nosso futuro seria diferente, mas, a vida é cheia de mas, e o futuro a Deus pertence!

Assim; anda comigo para a a Sanzala, aquela Sanzala da paz, do amor e das madrugadas inebriantes em que o amor era mais amor, e a beleza circundante nos deixava extasiados. Anda comigo assistir ao por-do-sol, não há outro tão igual, tão vermelho, tão lindo, porque era ali que eu te sonhava encontrar e contigo dançar ao som dos tãn-tãs ali na minha terra distante, aquela que me fez chorar quando atravessei o mar, o mar que não me esqueceu e continua a chamar por mim no seu marulhar!

Anda comigo à minha Sanzala, eu levo-te a ver as crianças lindas, puras que ainda têm alegria no olhar, mostrarte-ei a cabana da mãe Domingas a mãe amiga que tanto me ensinou e lá ficou! e a alegria que mora no meu povo, o povo que aprendi a amar, mesmo de cor de pele diferente, porque eu sou mais de lá do que de cá, porque aqui já quase não há povo, tornaram-se egoístas, fechados, inebriaram-se cedo demais pela paz que nunca chegou!
Anda comigo meu amor, fecha os olhos, sente-me, sente a minha mão entre as tuas, e sente que o meu amor é para sempre! O meu amor que já vem de há milénios, e continua em busca de ti sem se sentir perdido, porque tu sabes que sim, que viemos para nos encontrar, nem que seja mais perto do fim!...






quarta-feira, fevereiro 24, 2010

 

Andava para aqui a pesquisar ...


Sobre Farmácia, encontrei este bilhete que as mães, pais, escrevem e mandam os putos comprar!
Voltei aos meus dezasseis anos, estava a aprender costura no atelier da D. Rosa em Luanda, ela era o máximo, natural do Porto, Paranhos.
Foi com ela que aprendi muita coisa, inclusivé o que era ser homosexual, tudo à custa de ouvir uma canção na rádio, ela e as filhas cantaram para mim, quando acabou digo eu; ele canta bem não canta? abestenho-me de escrever o nome do cantor, isso não é para aqui chamado! e ela; canta mas é paneleiro, já viram a laurinha toda melindrada e dizer; que eu saiba o cantor nunca andou na rua a afiar tesouras e a tapar os buraquinhos das panelas e alguidares , arranjar guarda chuvas... e a tocar gaita! eu nunca o vi na rua a empurrar o carrinho... ó minha tola, tu sabes lá o que é paneleiro! atão não é isso? insinuava eu. Jesus, que risos doidos das duas filhas mais velhas e das outras mais novas, que gozação! Laura, olha, eu explico-te, quando namorares, alto aí, disse-lhe que se calasse, porque eu sabia que ela era marota prá conversa, uma alma linda mas, malandra que nem sei! ela tornava, laura, não, olha que há homens que são paneleiros e tu sonsa como és, ainda podes namorar com um e não saberes. Respondi; não faz mal, o meu pai sabe de tudo e dá logo conta se ele for paneleiro! Gargalhada geral, as 4 filhas todas a seguirem a trama maluca da conversa... e eu mortinha por me por a milhas dali. ahhh riam-se elas, ahhhh com que então vais por o teu pai a ver se ele é paneleiro? tá-se a ver...

Bom, quando me explicou como se notava, minha nossa senhora, que vergonha senti em mim, e ainda mais por ser tão parva e não saber de nada disso! Pelo menos aprendi e a partir daquele dia já sabia como lidar com as coisas, ehh, gracias que nunca namorei com nenhum, penso eu, porque só aos 18 anos e num baile, aprendi à minha custa que os rapazes decididamente, nem sempre trazem as chaves de casa todas mai'lo porta chaves no bolso!

Nesse mesmo dia, depois da lição ensinada, quando ia para casa diz-me a D. Rosa, Laura, já que passas na Farmácia, pede ao senhor Costa se me arranja uma camisa de noite! e eu? na Farmácia? sim, eles têm lá dentro do armazém, então escreva aí um bilhetinho para o senhor Costa, para ele ver que eu não percebi mal e já agora escreva a cor, azul, cor de rosa, etc... ! pelo sim pelo não, finjo que acredito enquanto elas se ficam a rir perdidas! Ah, aquele sorrisinho levado não me convenceu! Saí dali, passei na minha amiga Landa primeiro, somos da mesma idade, andavamos sempre juntas, ainda hoje somos amigas, embora ela viva em Luanda, bem, ela ouvia eu acho que por ser surda menos ouvindo, menos sabia... contei-lhe essa da camisa de noite e nem fiquei espantada quando ela me explicou para que servia a tal da camisinha... o que veio corroborar o que eu pensava, disse, não vás lá, diz-lhe a ela que o senhor Costa disse que devido ao tamanho, que fosse lá ela buscá-la!

Na manhã do outro dia, lá fui trabalhar, fiz-me de parva, quando ela perguntou pela camisa respondi serena; o senhor Costa diz para a D. Rosa lá ir que não sabe se lhe servem! Olha-me estupefacta; ó rapariga, mas tu foste lá mesmo? fui. Deste-lhe o papel? dei, eu não acredito, e ele não se riu de ti? não, riu-se de si, disse que a senhora era maluca por me ter mandado fazer um recado daqueles e que ia falar com a minha mãe!

Ah, fez-se de todas as cores, ficou entalada, deixei-a ficar aflita e depois foi a minha vez de rir!
Acha que eu ia caír na conversa? que era tão parva que fosse comprar camisa de dormir numa farmácia! Sou burra mas não tanto e em dois dias aprendi duas lições, pois a minha história com os perservativos, vinha de miúda quando com as amigas a caminho da escola, 8 anos, vimos um balão no chão (tinha chovido) era um correr para apanhar o balão ehhhh minha nossa! e quando já estavamos todas a cair em cima dele, grita uma senhora lá da janela do rés do chão; ó suas porcas, botem fora que isso é da p... dos homes!... mas que raio, não tinham onde deitar aquilo sem ser na rua?

Há pouco tempo fui ao teatro a convite do meu amigo da Junta, eramos as 3 da vida airada. Uma delas lembra-se de dizer que devia estar grávida, o namorado era gordo que sei lá, talvez uns 130 kilos por aí, diz a outra amiga; ó pááá, és tótó? então para que serve a camisinha? ele não gosta diz ela, e eu nem consegui falar, o riso sufocava-me, o espectáculo a rolar, fados e guitarradas, o meu amigo lá perto do palco, olha-me como quem diz? como é!... enquanto eu saio dali quase a correr para não rebentar de riso, escrevi no caderno que levava comigo na carteira para as poesias improvisadas; olha ele, olha ele que não gosta de camisinha... e como é que queres tu que ele a vista, se com o tamanho da barriga e sem ver onde ela está, sabe lá se ele a encontra para a vestir e depois dizem que não gostam!... Dali a nada era um trio de malucas a rir no Wc, riso que durou bastante e só no terceiro acto, voltamos aos nossos lugares depois do meu amigo perguntar; tão laurinha, a anedota era picante? e eu? Anedota, ah, é melhor que não saiba, senão também vai a correr para o WC!...

L&L, o meu amigo é quem deves imaginar, convida-nos para as festas, e, ainda hoje não sabe porque era aquele riso maluco, ainda bem!... deu para desopilar e tirar o pessoal do mutismo da chuva?
Espero que sim.






terça-feira, fevereiro 23, 2010

 

Poesias de vida!


Hoje é um dia de Poesia na minha vida, é um dia em que o amor bateu à minha porta na forma de vida maravilhosa que levo com a entrada no mundo dos sons!

Hoje festejarei à minha maneira, nem sei se me apetece sair se ficar no aconchego do lar com a Neide, a escrever a tese dela, e o shaka, já aqui na cama do Nuno, quentinho, cabeça na almofada dele. é que chove, está frio e eu queria embrenhar-me na natureza, abraçar as árvores pedir-lhes ajuda em forma de energia salutar, a alma precisa de um carregamento desses em alturas da vida!
Estamos só as duas, e só o estarmos juntas, diria que é o melhor presente que poderia receber!
Sei de quem gostaria de me ligar desde tempos imemoriais, alguém que pensou que mal passassem uns meses já conseguiria entender as palavras, mas não, ainda não, (perdoa, é que a vida é assim!) mas que lamento, lamento imenso... e, sinceramente não me preocupa o ainda não entender palavras... assim consigo escrever muito melhor ouvindo as músicas e não entendendo as letras do que cantam não fora assim e acho que ficava atrapalhada ao ouvir musica e letra não daria para escrever a minha, daí que se soltem as letras ao meu belo prazer!
As aulas continuam num bom ritmo, ainda ontem disse à Marta a minha terapeuta quando nos riamos perdidas por eu acertar nos meses todos sem olhar para ela, nos dias da semana, em muitas coisas mais; qualquer dia os pacientes que estão lá fora, vão fazer bicha à porta, porque só ouvem risos! as minhas aulas são as mais felizes de sempre!

E a festejar também estou, por encontrar através da Dad, a nina linda que conheci no memorável almoço no dia 6 de Dezembro, dali a dias era o meu aniversário e foi uma comemoração e peras, entre gente linda, gente de coração de Amor! gente da minha gente, o GT! e a querida Dad mandou-me um email onde dizia entre outras palavras; Laurinha, ai vai um poema de um amigo meu, que tal como tu, não consegue esquecer África, olho para o nome, fico doida de contente, e numa resposta mais doida ainda pergunto-lhe se não é o meu querido Pais da Rosa, o meu amigo das Áfricas longínquas! Claro que é! Laurinha, Parede já! Ó Kim adianta lá isso! mas deixa a chuva passar! Ah, a verdinha também os conhece, mundo pequeno, soubesse eu que estavas aí na Parede, mas! Obrigada querida Dad! Fico a dever-te uma, uma não, já são duas! como se diz!

Pais da Rosa, quantos momentos lindos, em companhia de amigos queridos, vê se recordas quando o Diogo trouxe as lagostas de Port Nolot! e comemos na Côca e Béquinho, grelhadas, eras tu e o Diogo a arrefecer com a ventoinha para se grelharem logo ali! Era um caixote e tanto... e também estava o João Serejo lembras-te? Estive com ele e em casa dele um mês no Brasil! (que é feito do Diogo? esse amor de amigo tão querido, como gostava de o ver!) aquilo é que foi fartar vilanagem, desforramo-nos em lagostas que nem sei.
E quantas tardes ou manhãs passei na companhia da tua Teresa, na Livraria que tinham no Centro da Cidade de Pretória, quando grávidas, ela do mais novo eu da Neide, em tempos diferentes, sentadas no Escritório, almoçavamos aquela especialidade do Fish e Chips, comendo russian e chips (salsicha com batatas fritas cheias de molhos que sei lá) ah, tendo a nossa treta amena ! E a Teresa com a lista de nomes de meninas, Teresita querida, quando dizias para chamar a Neide de Dácia, lembras-te? ah, momentos que nos faziam bem à alma! depois, nem sei, acho que viestes embora primeiro, já nem lembro bem, e, perdemo-nos por aí!
Feliz reencontro na continuação da harmonia e paz que sempre existiu entre nós! Alleluia meus irmãos de Amor, Paz e Luz! da laura, mais madura, mais mulher e sabida ora pois!






sábado, fevereiro 20, 2010

 

Noite adentro!


Noite adentro percorri os céus
procurando a estrela mais brilhante.

Cismei que encontrava por ali
o meu cavaleiro andante.

Com meu velho alazão
cavalguei rumo ao desconhecido.

E por qualquer uma razão
ele esperava por mim.

Cheguei perto, tão perto
deixei meu coração entreaberto.

Cavalgamos em direção ao infinito
perseguindo sonhos infindos.

Nunca o céu nos pareceu tão distante
nunca a paz, tão difícil de alcançar.

Olhamo-nos na escuridão
o amor rodeava-nos na mais pura afeição.

Sentirei por toda a vida
as minhas mãos nas suas em ternura incontida.

Nossas bocas selando a promessa
de um amanhã.

Acordei recostada no sofá
sabendo que o amor jamais será uma palavra vã!








sexta-feira, fevereiro 19, 2010

 

Aos meus amigos do GT.



É num amor assim que queria
rever a minha felicidade algum dia
é no amor igual ao dos meus amigos
que vivem felizes na sua alegria.

É num lugar assim
onde vós habitais (em amor)
que a felicidade
se transforma em mordomia.

Quero poder viver
a minha alegria interior
e tal como vós
sentir um grande amor.

Poder desfrutar
de maravilhosas manhãs a sós
sentindo que tenho
quem me possa escutar.

Quero gritar ao mundo
que já sei o que é o amor
que ele vive em mim
pela graça de Nosso Senhor.

Quero poder aconchegar ao peito
uma alma que saiba o que é o amor
e que juntos pela vida
possamos ser um par perfeito.

Quero fazer alguém feliz
alguém que viva como eu amargurado
e de coração despedaçado
pelas agruras da vida.

Quero viver o amor
em toda a sua plenitude
quero viver na paz
e em Deus na Sua mansuetude.

Quero alegrar a vida de alguém
que comigo há-de aprender
que a felicidade ainda existe
e é em amor que a queremos viver!...

Os meus amigos do GT! Não vou enumerá-los, eles sabem quem são, e entram todos porque todos eles são casais maravilhosos, que se amam, respeitam e vivem em harmonia! Sei que também terão as suas pequenas zangas, os amuos, mas, quando há amor, tudo se ultrapassa, tudo se resolve! Eu leio neles a sua forma de amar, aquela segurança que têm um no outro, porque o casal que se ama jamais sente o aguilhão do ciume a matar o amor, porque o ciume (pouco) que entra neles, não chega para destruir o amor. Sentem-se seguros, firmes, e jamais deixarão de se amar!

Verdinha, comecei a escrever estes versos, baseada na tua poesia, por sentir tanto amor, especialmente naquela pequena parte que diz que querias chegar pela mão do Leo ao fim do caminho na terra. Amei! Olha que nunca pensei assim! (O outro que vá na frente, digo eu ehhh)
Foi escrito a ouvir a musica do Demis Roussos que tens no teu post do aniversário de 36 anos de casamento. Ó vida, quão belo é mourir d'aimer! ou morrer de amor e com amor!

Meu querido grupo, já com novos amigos, a todos desejo que o vosso amor continue a vigorar, a dar-vos horas felizes e que haja sempre aquele brilho no vosso olhar! Acreditem, o amor dá beleza, irradia entre todos, mesmo pelos mais secos, porque o amor, é o AMOR!







quinta-feira, fevereiro 18, 2010

 

Som, no Silêncio!




Escuto o som do silêncio

quais murmúrios de um rio

que há muito deixou de correr.


Sigo o trilho das águas

que se perderam por ali

e onde também me perdi.


Tento não escutar

o que não pode ser real

mas a voz silenciosa está ali.


Diz-me que o poder do amor

é infinito e que não vale a pena lutar

para o expulsar de mim.


Sinto que ele voltará

quando as águas seguirem o seu curso

sem parar de correr

porque o amor não pode morrer.








quarta-feira, fevereiro 17, 2010

 

O Velho Carvalho!




Existes

desde toda a vida

nos meus sonhos de menina.


Sinto-te

como se foras o velho carvalho

onde toda a vida me recostei.


E em criança brinquei

quando caía e me protegias

nos teus ramos frondosos.


Sinto que vêm de ti

as raízes seguras

onde toda a vida me quis agarrar.


Quando algo não corre bem

sinto que és tu o abraço amigo

onde me posso apoiar.


Haja o que houver

não te afastes de mim

não é necessário que seja assim.


Deixa-me continuar a fazer parte de ti

nem que seja em pensamento

para que a vida não seja um tormento.


E quando me sentir ferida

procurarei o teu abraço frondoso

e sorrirei à vida!








terça-feira, fevereiro 16, 2010

 

Aguardo Novas Coordenadas!


Na sua versão real, profunda, a vida mostra-nos novos caminhos através de sonhos, acontecimentos jamais esperados!
Sempre que um acontecimento se preparava para chegar à minha vida, sonhava com novos rumos, novos caminhos. É aquela sensação de que algo vai acontecer, e começo a desejar coisas que se á partida parecem impossíveis, momentos depois parecem-me muito viáveis! e sonho, sonho longa e perdidamente, ou seja, embrenho-me neles, o meu pensamento corre veloz como o vento e consigo sentir que já não estou aqui, por vezes as mudanças exigem até que viajemos até ao outro lado do mar, e nos sonhos vejo se as águas são limpas, puras ou se são escuras, feias...Os avisos chegam-nos, basta dar ouvidos á voz que de dentro nos fala! Talvez por ser surda, ouça melhor as vozes de dentro.

Como quando queria tirar a carta de condução, todos me diziam ser impossivel de o conseguir, surdos não estavam autorizados a fazê-lo, ah, deviam ver os meus sonhos , lá ia eu a conduzir, mudança pra cá mudança pra lá, galgando estradas desconhecidas... Pois foi, consegui, os sonhos não mentem. Senti ali uma força descomunal e nem por um momento duvidei se iria conseguir! Passei à primeira! Enquanto o pai dos meus filhos que falava bem Inglês, só à 3ª tentativa o conseguiu!

Ou quando começava a pensar em mudar de rota, de terra, Cidade, recomeçar outro viver, e lá sonhava que estava noutra terra junto de outras gentes, e via-me a viajar de Barco, avião, e claro, meses depois de muito pensar e sonhar lá ia eu para novo destino! Sempre assim foi e sempre será. Não avanço sem Ele me mostrar as coordenadas! Lembrem-se da minha entrada na África do Sul, da forma que foi!

É que pressinto longos e novos caminhos à minha frente, não vão ser fáceis! Claro que trarão dor, pois nada de novo começará se não deixarmos as velhas vestes, os velhos trapos como eu costumo dizer, para trás. Há momentos em que caminhamos pela vida, e quando olhamos para o tempo que passou, chegamos à conclusão de que já não é a vida que sonhamos, ansiamos. Não se trata de encolher os ombros e dizer; Deus quis assim, e sofrer até ao fim, aguentando heroicamente viver uma vida inútil, vazia de afectos, de amor! O ser humano aguarda as oportunidades de regeneração através do sofrimento pessoal. Não tem de ser assim! A escolha é de cada um.
Para trás com as crendices que Deus quer que cada um sofra, (quantos não pensam; ai que é pecado, depois ardo no Inferno, essa faz-me rir) se assim fosse Ele não teria dito; ' Buscai e achareis' Pedi e recebereis' Ele sabe que os meus quereres são puros, são justos! Não se trata de fazer sofrer uns e outros só para eu ficar bem, não, é que esses uns e outros também trazem a sua cota de sofrimento e, a vida vai seguindo o rumo que tem de ser ! É certo que antes era eu a correr e a fazer apressar os sonhos e a vida. Hoje, mais cheia de sabedoria e de sonhos, digo; calma lá rapariga, o que é teu por direito a vida to dará de mão beijada, não precisas correr, porque aquela hora só chega mesmo na hora certa e a hora certa de cada um só ELE o sabe!
Não, não ando nas consultas de astrologia, do velho Tarot, apesar de ter amigas que deitam as cartas, jamais pedi uma consulta que fosse, nem vou à bruxa como disseram á tempos, não, não acredito nisso, acredito que Ele é que rege o Universo e sendo assim, espero calmamente que a minha hora de viver a realidade chegue, tão simples assim!... e os ponteiros do relógio estão quase lá!
E Sagitárias são guerreiras prontas a lutar e ainda caçadoras de gabarito!







segunda-feira, fevereiro 15, 2010

 

Carnaval de Veneza!


O único lugar onde assistiria ao Carnaval, seria em Veneza e está dito!
Pela riqueza das máscaras, das roupas, a beleza das cores e o cenário!
O Carnaval do Brasil, é apenas para despir corpos e mentes, porque as mentes ficam reduzidas a sexo e mais nada!
Aqui sempre fomos habituados a envergar as calças do avô Miguel, ou a camisa de dormir da tia Rosalina, atada com uma gravata do primo Afonso e por aí fora, era a forma dos mais pobres pdoerem dar vasão à alegria, e ainda teimam em mascarar-se, mesmo nos dias que correm, onde tanta pobreza há! Além de que detesto ver homem mascaradod e mulher, credo! Mas carnaval é Carnaval, ninguém leva a mal, daí que nunca me apetece ir pla Cidade e evr o que a nossa gente aprontou este ano, caímos na brejeirice, apenas isso!

Uma boa ideia a da nina Parisiense! Ora, aproveitem-se as boas ideias, que nem todos sabem como fazer quando as coisas não correm bem entre um casal e se encontram no meio do mundo das máscaras, máscaras que eu nem quero ver pintadas, quanto mais no rosto de qualquer um!

Já o disse noutras ocasiões, aterroriza-me estar perto de gente totalmente mascarada, deve ser assim com pessoas surdas, não sei, excluindo crianças, claro, a maioria das crianças tem medo a qualquer mascarado! E a prova disso, tive-a no carnaval no marco de Canavezes, há uns bons anos no Entrudo, bah, que coisa, e o homem ou mulher, estava ali postado, parado a olhar para mim, seria para mim? havia mais pessoas, roupas foleiras mas o rosto coberto com uma máscara feia, horrivel não parava de me seguir com o olhar e isso durante muito tempo! Imaginem e eu a dizer para mim; calma lá ó pariga, está aqui tanta gente, deixa de pensar que é para ti que está a olhar, apre, cagaço sim cagacinho! e foram horas, não saía de perto de mim! ai não, não que não, não estava mascarada ehhhh...

Mas voltei a Veneza por ler a Parisiense como já tinha dito, é que segundo a nina, podemo-nos perder na multidão e na dança na folia no empurra que empurra, imaginem a troca de pares, vestidos quase todos com os mesmos fatos! ah, no meio da algazarra, vejam bem, quando dão pela troca muitos aproveitam e bem,(e cá por mim; se gostam, fazem eles bem) outros ai jesus...

Bom Carnaval para todos, olhem o Madeirense, esse continua a barafustar a dar dicas para os do Continente que os sustentam, e, é sempre o Bombo da festa! e o Continente? devem achar que não tem importância nenhuma, Carnaval é Carnaval!






sábado, fevereiro 13, 2010

 

Onde quer que estejamos, Feliz dia dos namorados!...


É no próximo fim de semana que vamos, visitar Veneza, meu amor, a Doce Veneza dos meus sonhos de rapariga, quando sonhava que iria lá passear com o senhor amor, mas, ele atrasou-se e nunca apareceu!... quero dizer; vestiu-se de amor, ora sabes que há quem enfie a máscara, só que dali a nada acabamos por ver que era apenas amor mascarado! enganou-me, foi o que foi! E entretanto hás-de chegar!

Já tenho tudo marcado, talvez possamos ir no próximo fim de semana, mas que maravilha, os Hoteis, a maioria, que lindeza. Reservei este num belo Hotel, acho que vais gostar, porque sei que confias no meu bom gosto!

Podemos tomar o pequeno almoço neste lindo Restaurante, já viste, é tudo tão típico que nem sei, e ambos sabemos que aguardamos este belissimo fim de semana a dois, só a dois! Os amigos esperam, é que eu já te espero há um ror de tempo e enquanto não vens, vou sonhando e se é certo que o sonho comanda a vida, ora aí está, se tenho algo onde me excedo é nos sonhos, nem me poupo!... Devias ver as noites que fico acordada a sonhar-te, a pensar-te a realizar os tais dos sonhos que são os meus e os teus, e á força de tanto sonhar, sei que tudo vai acontecer... Se há um padroeiro dos sonhos, de certezinha que já deitou as mãos à cabeça mais de uma dúzia de vezes a ouvir os meus pedidos de sonhos realizados. Podes crer...

Ah, claro que andaremos nas gondolas com um gondoleiro vestido a preceito, camisola riscada de azul, calças brancas e lenço vermelho no pescoço, tal e qual...

Serão dias de paz, dias de amor, de loucura, ou será que com os anitos que já temos, não teremos o direito de namorar tal e qual se fossemos tão jovens assim?
Esta semana nem vale a pena, o carnaval tem gente a mais, e nós só precisamos de espaço e de tempo, porque amor temo-lo de sobra!
Feliz dos namorados, meu amor, porque ambos merecemos, estejamos onde estivermos, sei que me procuras e eu, a ti...






sexta-feira, fevereiro 12, 2010

 

Desgraças de uma dona de casa...


Que brinca em serviço!

O único papel que levo a sério, levei e se Deus continuar a permitir, continuarei a levar é o de Mãe! o de Amiga e o de ser Humano! De resto, que me perdoe Ele, mas tento levar a vida a brincar, a rir, e não é que o consigo? Já me imaginaram a chorar por um balde de água entornado (nem quando há caldo entornado!) nem quando a panela de pressão ardeu, ou quando o cilindro aproveitou a calada da noite, madrugada para fazer das suas e o chão de tacos amanheceu qual maré baixa! nem quando a net por vezes se esgota, se cansa de me aturar e diz que precisa tirar férias dos meus dedos que martelam as teclas sem dó nem piedade!é que, não vão lá pensar que sou assim a modos que uma nina certinha, nánaninanão! As minhas tarefas caseiras (juro que se pudesse) ;

mulher a dias teria
não um dia
mas todos os dias
e sendo assim
mais mordomia
e melhor o meu tempo, geria
pois se gosto de ver tudo
nos eixos
já não me consola saber
que esse problema
sou eu que tenho
de o resolver!



fazia de conta a muita coisa que a casa precisa e, actualmente ando numa de me poupar. Ouço as amigas a queixarem-se da coluna (a minha parece que agradece a distinção com que a trato) pesos a mais, ah, nem na cama, já agora, poupa-te laurinha! a vista? essa com os óculos só para ler, teclar, dançar não, senão! e claro que me poupo, por isso nem aparento os 58 (ahhh, essa é boa mas falsa) é que, aprendi que tenho de olhar por mim, pois de outra forma se fosse escrava da casa, (tenho amigas que o são, matam-se, esfolam-se e depois adoecem e,de que lhes valeu?) estaria na lista negra de dores comuns, ele é joelhos, tornozelos (já estive quase, quase, só que procurei logo remédio e pelos vistos foi santo o tipo!) de remédio, digo eu, não vão começar a imaginar cenas que a nina do Norte sabe muito bem expressar o que quer dizer!

Sagitariana não gosta de limpezas, e eu, francamente, a minha casa só me agradece as limpezas quando estou numa de sofrimento agudo quando a vida é torta e há problemas bicudos para resolver, até mudo alguns móveis, calma lá, os pesados há aqui manel em casa para isso, filhos eu só dou indicações para onde vai o dito! mudo cortinados e os rapazes saem-se com os ditos; ó mommy, amanhã é Páscoa? ou passaste a folha do calendário? porque aqui o pessoal faz isso nas festividades, ó valha-me. Até a dona Elisa repara e diz; filha (ah, sabem o que vem antes da filha, e depois né) sai sermãozinho tipo; ó filha não mudaste os cortinados, ai que é Natal, Páscoa, (os Santinhos agradecem a limpeza etc) enfim, mãeeeeeeeeeeeeeeeeee, eu não moro no campo e o pó tem medo de cá entrar quando fico brava!

Bom, por essas e por outras, a casa anda mais ou menos, e um dia destes até a Procissão vai torcer o nariz,quando for no adro, e eu quero lá saber, quero é pensar em mim que já criei os filhos, já aturei o manel tempo demais, já me esforcei para tudo e assim, não se admirem se ele for apanhar sol um dia destes porque, como sou poupada no meu tempo, detesto ter de ir à despensa e voltar por causa do limpa chão, limpa paredes, limpa retretes, limpa vidros, limpa tudo, vrummmmmmmmmmmmmm, não acreditem na magia do vvrrummmmmm, porque é mentira, não esfrega; não sai! e numa dessas ocasiões em que os meus pensamentos valem ouro, tive a feliz (ou infeliz) ideia de despejar um pedaço do produto de limpeza num frasco pequeno, vazio,de shampoo, igual ao que o manel usa para lavar a pouca cabeça que tem, e assim fica no cantinho da banheira, escuso de ir todas as vezes à despensa buscar o dito e na volta perco outro tanto tempo a arrumar o mesmo e assim, ideia genial, foi?(ah, quem sabe dos meus negócios sou eu!) as embalagens dos produtos diários estão na prateleirinha o champoo, o gel de banho, o dele e o meu, o meu mais afastado não vá o homem gastar o que me custou os olhos da cara... e como ia dizendo; imaginem! só tive tempo de ver o homem zangado a sair-se com esta; és mesmo doida, rais partam o computador e o teu poupar de tempo, um dia vai tudo pla janela abaixo. Nem contive o riso, impossível, enquanto lhe dizia; ao menos ficaste de ideias frescas, perfumadas a essência de jasmim! e, para a próxima, chama-me, quero ver o efeito visual, tanta espuma, tanta que aproveitei para lavar a banheira ehhhhh... ri-te laurinha que para a próxima mijas menos!
E vou aproveitar a minha onda de coisas boas, sonhos, desejos, almejos, anseios, vou começar um quadro agorinha mesmo, qual casa qual quê! estamos as duas, eu e Neide, vamos papar salmão grelhado com saladinha!
Beijinhos minha gentinha, tenham todos uma bela sexta feira, porque eu sinto que este é o meu mês mais maravilhoso da vida, não me perguntem porquê, porque nem eu sei responder, só que sinto dentro de mim, coisas boas a acontecer! e para o mês que vem volto a pensar a mesma e, tristeza já não entra aqui, eu não vou deixar!






quarta-feira, fevereiro 10, 2010

 

É este o teu Mundo! (À Estrelinha d'Alva)



Haverá sempre dias tristes

também aquela parcela

de dias bons

quando o sol brilha e rompe por aí

em busca de rostos sorridentes

em busca de estrelinhas perdidas

que parece, caíram no Planeta terra

por engano.


Nada é por acaso

nada veio ao acaso

nem a tua passagem por aqui

és uma estrela real

que brilha mais que rubis

és a nossa menina preferida

és a preocupação de todos

quando sentes que estás a mais.


Não te sintas deslocada

é este o mundo, o teu mundo

onde tens de viver

seguir as suas leis

e o Universo entender

é este o teu mundo e o nosso

e não fará sentido

quereres morar noutro lugar.


Aprende a crescer

aprende a entender

os pensamentos és tu que os crias

e resolve o caminho que lhes queres dar

se vais ficar sempre entre dores

desiste, cria novos momentos

sonha-os em conformidade

com os teus quereres.


E verás que o futuro

ainda tem muito para te dar

muito para te ensinar

que é aqui o teu lugar

que é aqui que vais ficar

e é aqui que vais lutar

para ser a mulher guerreira

que todos estamos a esperar!


Minha querida estrelinha, sei o quanto te é difícil por vezes, aceitar com naturalidade esta forma de vida! Chegaste à encruzilhada onde já não te sentes adolescente, nem menina, nem jovem! Sentes-te uma mulher adulta, lógico que penses assim, mas não é lógico que te sintas assim! Tens a idade que tens e deves viver em conformidade com ela, nem mais, nem menos.

Lembro-me de quando tinha a tua idade, da forma que me sentia, da incompreensão da minha mãe, especialmente dela, de quererem acima de tudo que fosse uma nina bem comportada, arre, que seca isso me custou e como me arrependo agora de não ter vivido da forma que gostaria! Um reparo aos pais que exigem de nós aquilo que não queremos nem devemos ser. Certo que nos acompanhem e tentem ajudar, mas tentar fazer de nós os seres que detestamos, ou para os quais não estamos inclinados, é no minimo, doloroso. Vejo isso por mim, agora, e, graças que não fiz o mesmo com os meus filhos, dei-lhes liberdade sabendo que usariam dela em conformidade com aquilo a que foram habituados, educados! Até hoje nunca me arrependi de o ter feito. Cada um escolhe o seu caminho quando tem liberdade para isso! certo também que nem todos têm responsabilidade e que os pais tentem mantê-los presos ou de rédea curta. Cada lar é um lar e os pais de cada um são como são! Nem todos sabem dar o exemplo! pois não é fácil viver e muito menos ensinar a viver!

Assim, preocupa-te contigo, para já, tenta viver com a tua idade, porque se assim não for, um dia, já tarde, terás saudade do tempo que deixaste passar sem viver, e acredita querida; o tempo jamais volta atrás.Como digo no poema, tenta fazer os pensamentos mais alegres que possas, de harmonia, amor, carinho, procura a luz dentro de ti e devagarinho vais ver que aprendes a sentir o brilho da Estrela Mãe!Não digas; ai Laurinha não consigo, não sei. Sabes sim, porque o amor sente-se e a luz acende-se cá dentro, cá dentro onde brilham mil sóis de amor, paz, harmonia!